Sindicalismo – Assembleia do Cpers decide por greve se estado alterar Carreira e Previdência

Encontro na tarde da sexta-feira, reuniu cerca de três mil professores estaduais e funcionários de escola

Em assembleia geral do Cpers Sindicato, na tarde da sexta-feira, 27/09, professores e funcionários de escola decidiram que a categoria vai entrar em greve, dentro de 72 horas, caso o governo anuncie alterações no Plano de Carreira e na Previdência Estadual. O encontro reuniu cerca de 3 mil pessoas na Casa do Gaúcho, no Parque da Harmonia, em Porto Alegre. Caso o governador Eduardo Leite recue em apresentar à Assembleia propostas nesse sentido, a categoria decidiu, ainda assim, manter o estado de greve, com a intenção de “acumular forças para exigir reposição salarial e pagamento em dia dos salários e do 13º”.

Duas mil turmas a menos

A presidente do Cpers, Helenir Schürer, destacou, durante a assembleia, a denúncia feita pelo sindicato em coletiva de imprensa, sobre a intenção do governador de fechar 2 mil turmas, chegando a um total de 5 mil turmas e 480 escolas desativadas, até o fim do mandato. Conforme Helenir, as escolas passaram a procurar o Cpers para denunciar enturmações, fechamento de turmas e multisseriações. “Para nós, o objetivo do governo é claro: enxugar e precarizar para usar a justificativa da privatização”, expôs a presidente.

Atividades de mobilização

Os professores e servidores de escola ainda aprovaram a participação da categoria em atividades de mobilização pela educação, nos dias 2 e 3 de outubro, em repúdio à implantação de escolas cívico-militares no Rio Grande do Sul e em um ato estadual no dia do professor (15 de outubro), com a inauguração de um acampamento na Praça da Matriz com o mote de reajuste salarial.

Fonte: Informações e foto no site do Cpers/Sindicato, com edição da Imprensa SindBancários

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

FACEBOOK

SERVIÇOS

CHARGES

VÍDEOS

O BANCÁRIO

TWITTER