Sartori quer convocação extraordinária da AL para aprovar nova fase do seu “pacote de maldades”

Na manhã desta quarta-feira, 23/12, o governador José Ivo Sartori entregou pedido de convocação extraordinária na Assembleia Legislativa para o dia 28 deste mês, para que os deputados votem a sexta fase de seu Projeto de Ajuste Fiscal – conhecido pelos trabalhadores como “Pacote de Maldades”. Não é exagero: ele avança para a privatização da Corag e da Fundação de Desenvolvimento de Recursos Humanos. Sartori aproveita a desmobilização do final do ano para tentar aprovar medidas impopulares e que prejudicam ainda mais a população do estado e os trabalhadores.

“As entidades de trabalhadores e a sociedade gaúcha estão muito preocupadas com estes movimentos do governador, que ataca os servidores públicos e o patrimônio do estado, numa ação de ajuste neoliberal”, diz o presidente do SindBancários. “Para completar o quadro de retrocesso no Rio Grande do Sul, Sartori já anunciou que quer limitar a cedência de servidores para a atuação sindical – o que pode interferir até na Legislação Trabalhista”, aponta Everton Gimenis.

O presidente do Sindicato lembra que o atual governador segue a linha do estado mínimo, reduzindo o patrimônio público e a extensão dos serviços, que repassa de mão beijada para a iniciativa privada. “Órgãos fundamentais para o Rio Grande do Sul, como a Corsan, a CEE e o Banrisul sempre sofreram ataques, perderam setores e privatizações parciais nos governos liberais do estado”, recorda Gimenis. “Vamos continuar mobilizados para evitar mais perdas ao patrimônio público e aos trabalhadores”, afirma.

Outros projetos

Pelo menos dois projetos que não foram apreciados na terça, em função da retirada do quórum, devem integrar a pauta da convocação extraordinária: o que endurece as sanções e amplia o combate a fraudes na cadeia do leite (que não enfrenta polêmicas); e o que institui o Plano Estadual de Transporte Rodoviário Intermunicipal de Passageiros de Longo Curso. A proposta, alvo de fortes resistências, inclusive entre deputados da base, caso do PDT, estabelece, entre outros itens, mudança de atribuições da Agert para o Daer e que o resultado das licitações se dará por técnica utilizada, não considerando o mais baixo valor oferecido pelo serviço.

Sessão no dia 28

Se todos os projetos não puderem ser votados no dia 28, nova sessão deve ser agendada para terça.  Sartori deve conceder uma coletiva na tarde desta quarta, 23, juntamente com secretários, para detalhar os projetos.

 

 

 

 

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

FACEBOOK

SERVIÇOS

CHARGES

VÍDEOS

O BANCÁRIO

TWITTER