Santander FC dá exemplo de resistência e luta na conquista do bicampeonato do bancário de futebol de campo 2017

Os colegas do Santander FC não deixaram dúvidas sobre as suas intenções no Campeonato Bancário de Futebol de Campo 2017. No sábado, 1º/7, no gramado do Centro de Treinamento Banrisul Serraria, venceram os colegas do Bradesco FC por 1 a 0 e conquistaram o título invicto do campeonato. A vitória garantiu vaga à Libertadores Bancária de futebol de campo do ano que vem. O Campeonato Bancário de Futebol de Campo 2017 teve a organização do Centro Gaúcho de Desportos Bancários (CGDB) e apoio de AVM Advogados.

Antes de falarmos nos lances do jogo e do quanto ele foi pegado e de qualidade, é preciso dizer que o Santander FC é uma equipe em ascensão no futebol bancário e que tem na resistência uma de suas virtudes. Depois de conquistar o título do futebol sete com vitória nos shootout sobre o mesmo Bradesco FC, no ano passado, depois de empate em 1 a 1 no tempo normal, o título do futebol de campo em 2017 é o segundo no gramado do Centro de Treinamento Banrisul Serraria. Os colegas do Santander FC haviam conquistado o título de 2015 no mesmo gramado. E é sempre com dificuldade, com luta e garra. Na ocasião, o Santander FC buscou empate em 2 a 2 com os colegas da Caixa, na final, e venceu com um gol na prorrogação.

O jogo, como tem sido a característica dos campeonatos bancários, foi marcado pela qualidade, pela garra das duas equipes e pelo equilíbrio. O gol do Santander saiu logo cedo. Aos quatro minutos de jogo, o time recuperou bola no meio-campo adversário e armou contra-ataque. O meia Victório cruzou para o miolo da área, onde entravava o atacante Rafael Saraiva, que se antecipou ao goleiro adversário e empurrou de peito para a rede. A dinâmica do gol revela como o Santander FC abriu o placar, como sustentou a vitória nos 86 minutos seguintes e levantou a taça.

No vídeo abaixo, assista ao gol do títutulo do Santander FC na narração do narrador Ângelo Afonso, da Rádio Grenal, e a premiação dos campeões.

O técnico Ronaldo Gonzalez, desde a primeira fase, apostou numa defesa forte, linhas bem próximas e em saídas rápidas. Foi assim que ganhou no jogo de estreia do campeonato contra o mesmo Bradesco FC por 2 a 1. A jogada do gol, desde o seu início, capta o modus operandi do jogo, a tática e a preparação para a final. O goleiro Flávio do Bradesco FC cobrou tiro de meta no círculo central do gramado. Posicionado ali, no centro, Victório ficou com a bola. Matou-a. Livrou-se de um adversário, avançou pela esquerda e, de primeira, da intermediária, não fez um cruzamento, fez um passe, de bola que quicou na grande área e encontrou o peito de Raphael Saraiva antes de tomar o rumo e dormir na rede.

Havia sido o Bradesco FC o time que primeiro investira contra a defesa adversária no primeiro tempo. Uma jogada de lado de gramado conquistou um escanteio. Mas, logo no início, veríamos o futebol solidário do Santander se manifestar em todos os espaços do gramado. Marcação adiantada sobre a defesa adversária. Era preciso impedir, evitar, atrapalhar que os volantes do Bradesco FC pudessem executar a técnica do toque de bola e avanço contínuo que caracteriza o time vermelho.

O técnico Ronaldo Gonzalez justapôs a uma linha de dois volantes, um meia rápido pela direita, o goleador do time Antônio Sartori Jr. Mais ao lado, dois meias e Victório no vértice do losango ou como meia centralizado numa variação de três volantes para três meias. Antonio Sartori, inclusive, jogou no sacrifício, guardando posição pela direita, dividindo-se entre a contenção dos volantes, a perseguição do lateral esquerdo do Bradesco FC e os contra-ataques puxados pelo flanco direito. Desta vez, não marcou, como na final do futebol sete, quando empatou o jogo no último minuto, mas recebeu o troféu de goleador empatado com outros colegas. Antonio Sartori também cumpriu a função de atacar como na jogada em que avançou pela direita e cruzou para área para defesa do goleiro Flávio.

Atrás no placar, o Bradesco FC procurava impor seu estilo. Toque de bola entre os volantes, saída rápida pela direita com Wendell, investidas e movimentação constantes dos atacantes Fernando e Japão. Quando não esbarrava no bloqueio das linhas do Santander, na mobilidade e velocidade de sua dupla de zaga, o Bradesco FC levava perigo ao gol do goleiro Rodrigo Miguel. Para tentar romper o bloqueio do Santander, o atacante Fernando buscava o jogo. Foi assim que conseguiu a primeira conclusão a gol em chute de fora da área e desviado.

Outras tentativas partiam dos pés do volante Wendell. Lançamento esticado para a direita, e bola que retornou para ele dentro da área. Na hora em que se preparava para chutar, mais uma vez a defesa do Santander FC bloqueou. As respostas do Santander FC partiam dos pés de Victório. El Tanque recebeu pela direita, se livrou de adversário e bateu forte, de fora da área por cima.

E o primeiro tempo se encaminhava para o fim sob a insistência do Bradesco FC. O capitão do time, o meia Gregório, passou a assumir o jogo. Procurava rodar a bola. Cavava escanteios que eram rebatidos pela firme zaga do Santander FC. As cobranças de falta levavam perigo ou terminavam nas mãos do goleiro Rodrigo Miguel. E o Bradesco FC insistia. O Bradesco FC forçava mais com a bola, conseguia controlar os contra-ataques, mas não construía claras chances de gol.

E o primeiro tempo chegava ao fim sob pressão do Bradesco e resistência dos colegas do Santander FC. Antes de o apito do árbitro Fabrício Neves Corrêa soar com o fim do primeiro tempo, o Bradesco FC conseguiu uma conclusão forte a gol, com defesa do goleiro e dois escanteios em sequência.

A consagração na segunda etapa

E o jogo veio para o segundo tempo sob uma disputa de dois conceitos. À urgência, pressa e pressão do Bradesco FC, o Santander FC respondia com paciência. Logo de cara, três investidas fortes do Bradesco FC. Japão ganhou de um adversário pela esquerda, levou para o meio e chutou fraco. Defesa do goleiro. Wendell cobrou falta para a área que Rodrigo Miguel afastou de soco para longe. A melhor chance ocorreu com o volante Vicente do Bradesco FC. Ele se desprendeu de sua intermediária, avançou pelo meio e bateu forte, cruzado. A bola raspou a trave do Santander FC.

Se o Bradesco FC buscava empatar ocupando o terreno adversário, os contra-ataques do Santander FC ficaram mais perigosos. Numa escapada rápida após lançamento longo da defesa, Renan ficou de frente com o goleiro do Bradesco FC. Em sua saída desabalada, Flávio foi encoberto pela bola que caprichosamente tomou o rumo da linha de fundo. Até que a lógica se inverteu. O Santander conseguiu, de uma falta, um escanteio, e quase perdeu a vantagem no marcador. O Bradesco FC conseguiu um contra-ataque rápido em que Wendell chutou para fora.

Aqui, podemos fazer um pequeno resgate para contar como foi a final da Copa Classe Trabalhadora de Futsal. Prova de que o Bradesco FC não desiste nunca foi que, neste jogo, perdia de 4 a 1 para o Bradesco Gravataí. Buscou o empate com três gols relâmpago no final do jogo.  Por pouco, o empate no futebol de campo não veio nos últimos minutos de jogo. Em três lances o Bradesco FC, deixou escapar o empate. O Santander FC resistiu bravamente.

Fernando escorou de dentro da área para colega que veio de frente e bateu para fora, raspando o gol do Santander FC. Gregório cobrou falta que raspou o travessão adversário. Após cruzamento da esquerda, a bola viajou até o meia Gregório do Bradesco. De dentro da área, ele deu um tapa e achou Fernando que adiantou a bola dentro da área pequena, se livrou do goleiro, mas não conseguiu alcançar. Nos acréscimos, o Bradesco FC voltou a pressionar com três novas chances de gol.

Mas era manhã ensolarada de resistência, de mais um jogo do Campeonato Bancário de Futebol de Campo 2017 e de título para o Santander FC.  Estava consagrada a resistência de quem foi eficiente, de quem marcou gol cedo e teve maturidade para manter o resultado diante de um adversário duríssimo, multicampeão e muito forte. Valeu, colegas do Santander FC. Vocês deram um exemplo de quem luta até o fim, resiste e avança, conquista.

Integração e condições de trabalho

O presidente do SindBancários, Everton Gimenis, exaltou a participação dos bancários nas atividades desportivas organizadas pelo Sindicato. O esporte, na visão dele, é um fator de integração que ajuda a mobilizar os colegas para a luta em defesa dos direitos. A Campanha Nacional dos Bancários já está em andamento e, este ano,  a luta será por resistir aos ataques das Reformas Trabalhista, Previdência e contra a terceirização.

“Os bancários vivem em uma rotina de trabalho muito estressante. Há muita cobrança de metas, muita pressão. Os nossos campeonatos de futebol, as nossas atividades de lazer são fundamentais nestes momentos políticos em que os trabalhadores são alvos de ataques a seus direitos que foram duramente conquistados com muita luta. Estamos muito contentes com esta final, com a qualidade do jogo e também com a presença da torcida dos dois times. Investir no esporte é criar condições para a participação na luta”, avaliou Gimenis.

Os destaques do Campeonato Bancário de Futebol de Campo

Campeão: Santander

Vice-campeão: Bradesco

Artilheiros: Antonio Sartori Jr (Santander), Samuel Henrique (Caixa), Luis Gustavo, Ugo e Michael Lasch (Banrisul), três gols cada.

Defesas menos vazadas: Santander e Bradesco.

Crédito fotos: Jackson Zanini

Crédito vídeo: Josias Bervanger

Fonte: Imprensa SindBancários

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

FACEBOOK

SERVIÇOS

CHARGES

VÍDEOS

O BANCÁRIO

TWITTER