Reintegrada bancária do Bradesco demitida durante pandemia

Juiz entendeu que demissão apresenta traços discriminatórios e foi ilegal

O juiz Alcides Otto Flinkerbusch, da 3ª Vara do Trabalho de Porto Alegre, deu provimento ao pedido de uma bancária do Bradesco, demitida durante a pandemia do Coronavírus, e determinou sua reintegração imediata. Para o juiz, a demissão apresenta traços discriminatórios e foi ilegal.

A bancária, pertencente ao grupo de risco, foi demitida pelo banco no fim de março, quando a crise do coronavírus já estava estabelecida. Antes da demissão, ela questionou se não deveria ser liberada por homeoffice.

“No caso em tela, considerando as condições adversas enfrentadas pela sociedade desde que foi decretado o estado de calamidade pública pelo Governo do Estado do Rio Grande do Sul (Decreto Estadual nº 55.128/2020) e pelo Governo Federal através do Decreto Legislativo nº 6/2020, permite inferir que a despedida da autora apresente traços discriminatórios”, afirma o juiz em seu despacho.

O presidente do SindBancários, Everton Gimenis, ressalta a importância dos Sindicatos para defenderem os direitos dos empregados. “Sempre pedimos que os bancários nos procurem ao enfrentar qualquer problema no local de trabalho ou em caso de dúvidas quanto aos seus direitos. Neste caso, por exemplo, a bancária nos procurou e teve todo o suporte para buscar um advogado e reverter a demissão. Ainda mais em um momento de crise como este, a decisão é fundamental para preservar a vida do bancário e de sua família”, observa Gimenis.

“Essa medida judicial é necessária para frear os desmandos do banco empregador. O direito e o bem comum tem que prevalecer! As medidas judicias tem que ser atendidas ao tempo da necessidade do direito pretendido, por esse motivo se buscou a medida de urgência neste caso, tendo em vista que a colega está em grupo de risco. A decisão liminar se mostrou acertada, seja pelo tempo atendido, seja pela eficácia da garantia ao emprego. Que no final das contas garante a vida de uma pessoa e o direito ao seu sustento”, analisa o advogado Deividi Garcia Pereira, do escritório Garcia Pereira Advogados, que move a presente ação da bancária.

O juiz ainda determina a reintegração no mesmo cargo e função exercidos no momento da dispensa. Como a bancária é grupo de risco, o Bradesco também deve mantê-la trabalhando em homeoffice.

Sindicalize-se!

Quanto mais bancários sindicalizados um Sindicato possui, mais força a entidade tem para lutar pela garantia de direitos e a ampliação dos mesmos. Clique aqui e veja como se sindicalizar!

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

FACEBOOK

SERVIÇOS

CHARGES

VÍDEOS

O BANCÁRIO

TWITTER