Quadrilhas atacam agências bancárias em Itacurubi e Ibiraiaras, nas Missões e Noroeste do estado

Pelo menos duas cidades – Itacurubi, na Região das Missões, e Ibiraiaras, na Região Noroeste – tiveram agências bancárias atacadas por quadrilhas entre a madrugada desta quinta, 03, e tarde da quarta-feira, dia 02/05. Em Itacurubi foram atacadas as agências do Banrisul e Sicredi. Em Ibiraiaras, os ataques foram contra o Banco do Brasil e o Banrisul.

Itacurubi

Ainda na madrugada deste dia 03, criminosos invadiram a agência do Banrisul de Itacurubi (com 3.500 moradores, a 540 quilômetros de Porto Alegre) a marretadas (foto acima) e levaram o cofre. Já no Sicredi, os assaltantes renderam o guarda e roubaram a sua arma. A polícia afirma que não foram utilizados explosivos. O alarme da agência dos Correios disparou mas não se sabe se os ladrões conseguiram invadir o local. Três homens teriam praticado nos crimes.

Ibiraiaras

Em Ibiraiaras, na Região Nordeste do estado, as agências do Banco do Brasil e do Banrisul, além de uma lotérica, foram assaltadas no começo da tarde de ontem, quarta-feira, 02/05. Os três estabelecimentos ficam na Rua Antônio Stela, no Centro da cidade de aproximadamente 7.500 habitantes. A quadrilha – formada por cinco homens – obrigou funcionários e clientes a irem para o meio da rua e ficarem de mãos dadas, o que evitou a aproximação da polícia. Os criminosos também atiraram a esmo para repelir a aproximação da PC, BM e Polícia Rodoviária Federal, que chegaram ao local após o alerta do ataque aos bancos.

Muitos moradores entraram em pânico com o tiroteio e houve correria pelo centro da cidade, situada há 400 quilômetros de Porto Alegre. Os reféns foram obrigados a tirarem as camisas e blusas. Segundo a Polícia Civil, os criminosos estavam armados com pistolas e espingardas.

Os quadrilheiros fugiram com os valores roubados em um Toyota Fielder, depois encontrado incendiado. Ninguém foi preso.

Segurança pública em crise

Estes criminosos usaram a estratégia já batida do chamado ‘novo cangaço’, que usa reféns e paralisa o centro das pequenas cidades”, disse o presidente do SindBancários. “O impressionante é que este modelo de ataque a bancos de pequenas comunidades se repete a todo o momento e a Segurança Pública do governo Sartori não consegue criar uma estratégia de ação para impedir os crimes, seja com mais recursos para ampliar e garantir o policiamento ostensivo seja para oferecer melhores condições de trabalho aos policiais encarregados das investigações sobre as quadrilhas”, finalizou Everton Gimenis.

Fonte: Imprensa SindBancários com informações da Rádio Guaíba e de ZH, incluindo foto

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

FACEBOOK

SERVIÇOS

CHARGES

VÍDEOS

O BANCÁRIO

TWITTER