Outubro Rosa, uma campanha que salva a vida de mulheres

Segundo a OMS, 95% dos casos detectados em estágio inicial podem ser curados

Durante todo este mês de outubro, inúmeras entidades e movimentos sociais chamaram a atenção da sociedade sobre o Outubro Rosa, uma campanha anual realizada mundialmente para alertar sobre a importância de se fazer o diagnóstico precoce do câncer de mama. O objetivo é divulgar ao máximo as informações e destacar a importância se de lutar pelo direito à saúde, por atendimento médico e o suporte emocional. E os trabalhadores bancários participam.

A Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT) está na campanha para encorajar mulheres a realizarem seus exames preventivos. A informação é fundamental para a prevenção. A secretária da Mulher da Contraf-CUT, Elaine Cutis, destaca a importância do autoexame. “A conscientização das pessoas e os cuidados para a prevenção podem salvar vidas”, ressalta Elaine. A recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS) é a realização da mamografia de rastreamento (quando não há sinais nem sintomas) em mulheres de 50 a 69 anos, uma vez a cada dois anos.

Cura

A prevenção aumenta muito as chances de cura e 95% dos casos identificados em estágio inicial têm possibilidade de cura. Daí a importância da mamografia, o principal método para o rastreamento da doença. De acordo com o Instituto Nacional de Câncer, o câncer de mama é o que mais causa morte entre mulheres no país. A OMS constata que é o quinto câncer que mais mata no mundo, vitimando anualmente mais de 600 mil mulheres.

A Organização Pan americana de Saúde destaca que, nas Américas, o câncer de mama é o mais comum entre as mulheres, sendo a segunda principal causa de morte entre esse público. Dados do Instituto Nacional de Câncer estimam neste ano o registro de mais de 60 mil casos de câncer de mama no Brasil.

Como nasceu o Outubro Rosa

O Outubro Rosa nasceu nos Estados Unidos, na década de 1990, para estimular a participação da população no controle do câncer de mama. A data é celebrada anualmente com o objetivo de compartilhar informações sobre o câncer de mama e promover a conscientização sobre a importância da detecção precoce da doença. No Brasil, a primeira iniciativa marcante ocorreu em São Paulo, no dia 2 de outubro de 2002, quando o Obelisco do Ibirapuera foi iluminado com a cor rosa.

A partir de então, a campanha cresceu por todo o país. Dados do Ministério da Saúde mostram que o sucesso da campanha Outubro Rosa é tão grande que aumentou em 37% o número de mamografias realizadas no país.

Em Porto Alegre

O Outubro Rosa começou em Porto Alegre já no dia 1º dia deste mês, com o Hospital Fêmina do Grupo Hospitalar Conceição já engajado na campanha. Na manhã daquele domingo iniciou-se o projeto “Bombardeio de Fios” com  ornamentação especial na instituição hospitalar localizada na Avenida Independência, no bairro Rio Branco.

Por mês são feitos cerca de 100 procedimentos cirúrgicos mamários, em torno de 800 consultas com mastologistas e aproximadamente 1.000 tratamentos oncológicos são administrados em mulheres com câncer.

De acordo com Christina Oppermann, as mulheres precisam observar suas mamas e realizar o autoexame para detectar qualquer possível alteração. A mamografia anual, orientou, deve ser feita a partir dos 40 anos de idade. “Quem tem histórico familiar positivo na família deve procurar orientação o mais precoce possível para começar o rastreamento”, recomendou.

Fontes: Contraf-CUT, Organização Mundial da Saúde (OMS), Hospital Fêmina e RGNotícias, com Edição de Imprensa SindBancários.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

FACEBOOK

SERVIÇOS

CHARGES

VÍDEOS

O BANCÁRIO

TWITTER