SindBancários chama colegas do BB para derrotar CCVs da precarização em assembleia em 4/2

As comissões de conciliação voluntárias (CCVs) representam um modo alternativo de solução de conflitos trabalhistas através do qual o trabalhador apresenta uma determinada reivindicação relacionada a um direito trabalhista descumprido em seu local de trabalho diretamente à sua entidade sindical representativa e esta encaminha a reivindicação ao empregador.

Para debater este assunto e derrotar essas comissões do BB, o SindBancários convoca os colegas do Banco do Brasil para assembleia, em 4 de fevereiro, na Casa dos Bancários. Vamos decidir juntos sobre a instalação ou não de uma CCV nos moldes que o BB propõe. A assembleia será realizada no auditório da Casa dos Bancários, com primeira chamada às 18h30 e segunda chamada, às 19h. (Leia abaixo edital de convocação).

Assembleia Geral Extraordinária

Quarta-feira, 4/2 | 18h30 (19h) | Auditório da Casa dos Bancários (General Câmara, 424, Centro Histórico (Porto Alegre).

Entenda o que é a CCV

A partir daí surge um procedimento e é designada uma reunião entre as partes, com a mediação do Sindicato, onde se tenta chegar a uma solução conciliatória.

A base conceitual da Comissão de Conciliação Voluntária é a capacidade das partes envolvidas no conflito de discutirem de forma madura o problema e tentar construir uma solução. As partes devem ter poder para transigir, argumentar, apresentar suas razões, ter bom senso para ouvir os argumentos do outro lado.

Não é o caso da Comissão de Conciliação Voluntária proposta pelo Banco do Brasil. As comissões de conciliação voluntárias já implementadas pelo Banco do Brasil nos últimos anos são comissões que buscam a quitação de direitos trabalhistas com seus empregados, eleitos segundo os interesses específicos do banco, através de reuniões que não são negociações, mas apresentações de propostas em que não são consideradas as ponderações dos empregados e não são apresentados argumentos para a elaboração da proposta apresentada pelos representantes do banco.

As reuniões não são reuniões de conciliação!

O Banco do Brasil apresenta propostas que representam entre 10% e 15% do valor que deveria pagar para o empregado. Isto mesmo, o Banco faz proposta de dez por cento do valor que deveria pagar para o bancário. Isto, sem qualquer discussão ou justificativa. É apenas um valor rebaixado para se livrar de um passivo.

O Sindicato dos Bancários de Curitiba rejeitou a proposta de criação destas comissões precarizantes e já tem mais de 2.500 bancários representados nas ações ajuizadas como substitutos processuais. O Sindicato dos Bancários do Rio de Janeiro também rejeitou a criação destas comissões flexibilizadoras de direitos e denunciou a prática do Banco para o Ministério Público do Trabalho.

Além disso, sindicatos que firmaram acordos para a implantação das referidas comissões diante das intransigências patronal e da falta de critérios das reuniões estão denunciando, rompendo, o acordo coletivo que institui as comissões.

Nunca é demais lembrar que inúmeros bancários da base do SindBancários já têm ações ajuizadas na Justiça do Trabalho tratando da cobrança das horas extras trabalhadas, consideradas como tais as sétimas e oitavas. Para se ter uma ideia, temos 39 ações ajuizadas em nome do sindicato como substituto processual e com 352 bancários representados nestas ações.

O SINDICATO ESTÁ RECEBENDO FICHAS DE ENTREVISTAS DOS INTERESSADOS PARA FORMAR NOVOS GRUPOS PARA AJUIZAMENTO DE AÇÕES EM QUE VAMOS COBRAR AS REAIS DIFERENÇAS DE HORAS EXTRAS EM FAVOR DOS BANCÁRIOS.

Se o Banco do Brasil tivesse interesse real em negociar com seus empregados poderia proceder esta negociação na própria Justiça do Trabalho, considerando os inúmeros julgamentos desfavoráveis que tem sofrido nestas demandas.

 

Leia aqui a edição do jornal O Espelho que explica por que as CCVs do Banco do Brasil querem precarizar direitos.

 

EDITAL DE ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA

 O Sindicato dos Bancários de Porto Alegre e Região, inscrito no CNPJ sob o n° 92.831.650/0001-05 convoca todos os empregados do Banco Brasil S.A, sócios e não sócios, da base territorial deste sindicato, composta pelos municípios de Porto Alegre Alvorada, Viamão, Canoas, Cachoeirinha, Gravataí, Guaíba, Eldorado do Sul, Sertão Santana, Barra do Ribeiro, Charqueadas, São Jerônimo, Nova Santa Rita, Esteio e Sapucaia do Sul, para a assembleia geral extraordinária que se realizará no dia 04/02/2015 às 18h30 em primeira convocação e às 19h, em segunda e última convocação, no auditório da Casa dos Bancários, à Rua General Câmara, 424, Centro Histórico de Porto Alegre, para a seguinte ordem do dia:

a) Discussão e Deliberação sobre a proposta de Acordo Coletivo de Trabalho a respeito da instalação da Comissão de Conciliação Voluntária do Banco do Brasil.

 Porto Alegre, 21 de janeiro de 2015.

 A Diretoria

 

Fonte: Imprensa SindBancários

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

FACEBOOK

SERVIÇOS

CHARGES

VÍDEOS

O BANCÁRIO

TWITTER