No Dia Mundial da Saúde, a realidade dos empregados da Caixa é o adoecimento mental

Pesquisa da Fenae revela que os transtornos são as principais causas de afastamento por licença médica

Neste 7 de abril, dia Mundial da Saúde, os trabalhadores da Caixa não têm motivos para celebrar. Os resultados da pesquisa da Federação Nacional das Associações do Pessoal da Caixa (Fenae) sobre saúde e os impactos da pandemia mostram que boa parte do adoecimento dos empregados está relacionado ao trabalho no banco. Entre os dados mais assustadores, estão os de saúde mental. Em 2021, 42% dos empregados afirmaram ter problemas de saúde associados à atividade que desempenha na Caixa. Destes, 75% estão relacionados à saúde mental.

A pesquisadora e doutora em Psicologia Social, do Trabalho e das Organizações, Fernanda Duarte, participou da pesquisa e apontou os principais achados do levantamento. “O cenário é bem crítico. Em geral, foi possível perceber três tendências principais nesses dados. Uma é que os resultados são iguais ou piores. O problema é que já era muito ruim antes. A outra questão é o adoecimento mental com uma presença muito predominante”, destacou.

O terceiro fator que chamou a atenção da pesquisadora é a “medicalização e farmaceuticalização de conflitos sociais” – tratar um problema social e de relações no trabalho de forma individualizada. “A gente tem a preocupação em diagnosticar transtornos, mas não necessariamente entender fatores sociais que estão relacionados à iminência desses transtornos. Uma coisa é a gente falar que está cheio de gente deprimida no banco, outra é entender que estes fatores estão relacionados com o banco. E tem muito a ver”, avaliou.

Os dados que confirmam essa avaliação se referem à busca por tratamentos psicológicos e psiquiátricos relacionados ao trabalho. De acordo com a pesquisa, 34% dos empregados informaram que fazem ou fizeram acompanhamento psiquiátrico; destes, 65% afirmaram que a procura pelo tratamento foi motivada por questões profissionais. Dos 47% que realizam ou realizaram tratamento com psicólogo, 49% foram, também, por motivos relacionados à Caixa.

Em um outro recorte da pesquisa, o adoecimento mental também é a principal causa de afastamento por licença médica. Em 2021, 6% dos bancários estavam afastados, sendo 33% por depressão, 26% por ansiedade, 13% pela síndrome de Burnout e 11% por Síndrome do Pânico.

As causas do adoecimento mental envolvem situações de pressão, ansiedade e assédio, constantemente sofridas pelos empregados, segundo aponta a pesquisa. Mais de 90% dizem que já sentiram muita pressão ou ansiedade no trabalho. 56% já sofreram assédio moral no banco e quase 70% já testemunharam algum episódio desta situação no ambiente de trabalho.

Para a dirigente da Fetrafi-RS e empregada da Caixa, Sabrina Muniz, vale observar que 83% dos afastamentos dos colegas da Caixa em 2021 ocorreram por problemas relacionados à saúde mental, incluindo a síndrome de burnout, que foi reclassificada pela Organização Mundial da Saúde (OMS), passando a doença decorrente do trabalho.

“Infelizmente, esses dados retratam a realidade de adoecimento dos nossos colegas. Não são apenas números, mas sim um retrato do que acontece com as pessoas quando precisam trabalhar em condições de trabalho onde a pressão por resultados é rotineira e só aumenta. Isso sem falar na falta de contratações. Vemos muito colegas trabalhando de forma desumana”, salientou a diretora.

Para o presidente da Fenae, Sergio Takemoto, é indiscutível que a forma de gestão, a pressão pelo cumprimento de metas e o assédio provocam o adoecimento. “Infelizmente os relatos que recebemos são muito característicos. É um adoecimento sistemático provocado por uma gestão que pune, que assedia e que não se importa com o sofrimento do seu trabalhador”, criticou.

Medo de perder função

Jéssica Morais (nome fictício), Técnico Bancário Novo (TBN) relata que tem depressão, ansiedade, e ataques de pânico desde 2021. Faz tratamento com psiquiatra, tem acompanhamento com psicólogo e toma remédios controlados. “Começou com aumento do estresse no trabalho, pois estamos sobrecarregados com a falta de empregados; com isso, trabalhamos muito mais e as metas são absurdas. Já me afastei duas vezes, cada uma no período de 60 dias”. Ela conta que precisou sair de grupos do WhatsApp do trabalho porque “não conseguia nem ver o símbolo da Caixa que começavam as crises de pânico”. E nunca se sentiu acolhida pelo banco. “Sempre temos medo de perder a função, pois ninguém aceita depressão e estresse como doenças, falam que é frescura”, desabafou.

Outra empregada, Mariana Silva (nome fictício), viveu um luto em 2009 e teve depressão. Depois do tratamento voltou a se sentir melhor. Em 2015, entretanto, os quadros de depressão voltaram, dessa vez, o adoecimento foi atribuído aos problemas no banco. “Eu tive um episódio muito ruim que piorou muito a minha condição. Entrei num processo seletivo para concorrer a uma vaga porque insistiram que eu tinha perfil. Eu já estava fragilizada, e recebi um feedback de um superintendente. Ele disse que eu era vazia, que eu não tinha conteúdo. Isso ficou na minha cabeça”, disse.

A sobrecarga de trabalho potencializou o problema – durante a pandemia, ficou em home office e trabalhava sem controle de jornada, até 22h. “Comecei a cometer erros que nunca tinham acontecido, atrasos em processos em que sempre fui muito ágil”, disse Juliana, pausando a fala como se precisasse se justificar. “Mas são muitos atendimentos telefônicos, pelo WhatsApp. Meu nome e dos colegas eram expostos em reuniões, colocavam a gente em ranking”, lembrou. A bancária disse que não aguentou, procurou seu psiquiatra e agora está afastada. “Tenho medo de perder a função e, mesmo agora, afastada, minha cabeça gira em torno da Caixa. Quando penso que preciso voltar, sinto uma angústia, um aperto no peito”, relatou Mariana.

Me adoeceram a ponto de quase me convencer que eu era realmente um profissional inútil”, disse outro empregado, que também prefere não se identificar por medo de sofrer perseguição. Ele conta que já passou por momentos insuportáveis, que afetou vários aspectos da sua vida profissional e pessoal. Desenvolveu ansiedade e outras doenças que relaciona ao trabalho e à pressão no banco. “Em todos os casos fiz denúncia com gestores e com a Cored [Corregedoria] antes da situação piorar, nunca tive resultados. Entrei em LIP [Licença por Interesse Pessoal] porque não aguentava mais. Fui convocado para retornar no ano passado e voltei a ter crise de ansiedade”.

Para a diretora de Saúde e Previdência da Fenae, Fabiana Matheus, estes relatos são exemplos do adoecimento causado pela Caixa. “Sem acolhimento do banco, os trabalhadores começam a criar estratégias individuais para enfrentar um problema que foi provocado pelo empregador. Obviamente os tratamentos psiquiátrico e psicológico são fundamentais, mas acabam sendo uma forma de lidar com os conflitos que emergem do trabalho”, avalia.

É preciso combater a causa. E essa pesquisa vai ajudar a nortear ações de mobilização e de cobrança por melhores condições de trabalho para os empregados”.

Fonte: Fenae

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

FACEBOOK

SERVIÇOS

CHARGES

VÍDEOS

O BANCÁRIO

TWITTER