Movimento sindical pede afastamento imediato de Pedro Guimarães 

Funcionárias acusam presidente da Caixa de assédio sexual. Ministério Público já investiga o caso.

Pedro Guimarães, um dos homens do governo mais próximos de Bolsonaro, é acusado de assédio sexual por diversas funcionárias da Caixa. As denúncias contra o presidente do banco, já sob investigação do Ministério Público Federal, vieram a público na noite desta terça-feira, 28, e abalam a permanência do economista no cargo. 

Em reportagem do portal Metropoles, sob anonimato, cinco funcionárias fazem relatos estarrecedores; toques em partes íntimas sem consentimento, abordagens inconvenientes e constrangedoras, convites para saunas e visitas ao quarto do presidente em hotéis, além de propostas que denotavam avanços na carreira caso se mostrassem dispostas a ter relações com ele.

A maior parte dos testemunhos está ligada a atividades do programa Caixa Mais Brasil, realizadas por todo o país. O programa acumula, desde 2019, mais de 140 viagens, a maioria aos finais de semana, com a presença de Pedro Guimarães e equipe. As mulheres revelam que todos ficam hospedados no mesmo hotel, onde ocorria a maioria dos assédios relatados.

O movimento sindical já pediu o imediato afastamento de Pedro Guimarães. A presidenta da Contraf-CUT, Juvandia Moreira, disse que “o presidente deve ser afastado imediatamente para não interferir nas investigações e para preservar a integridade das vítimas”. Juvandia declarou grande preocupação com as empregadas da Caixa que fizeram a denúncia. “As denunciantes precisam de proteção institucional irrestrita e imediata; desde já, toda a estrutura sindical do país se coloca à disposição delas”, disse. A Contraf-CUT já está trabalhando para que o caso seja apurado o mais rápido possível. “Vamos tratar com a Fenaban para que o presidente da Caixa seja afastado e para que tudo seja investigado com muita rapidez, e também estamos já em contato com o Congresso Nacional, por causa da gravidade dessa questão”, completou.

Em nota, a Federação Nacional das Associações do Pessoal da Caixa (Fenae) “reforça o pedido de afastamento imediato de Pedro Guimarães enquanto correm as investigações em respeito à segurança de todos os empregados do banco”. A Fenae também se solidariza com as vítimas e enfatiza que “a violência contra as mulheres, em qualquer nível, contraria todos os valores e princípios da Caixa, assim como seu histórico na promoção da igualdade e do respeito aos direitos humanos”.

Relatos estarrecedores

As situações de assédio moral e sexual a que as vítimas foram submetidas são profundamente constrangedoras. Os testemunhos são muito fortes. Confira a reportagem completa.

Proteção às trabalhadoras

Em todo o país, os sindicatos de bancários e bancárias têm estruturas internas de atendimento e acolhimento a mulheres vítimas de qualquer tipo de abuso, seja no ambiente de trabalho ou até mesmo fora dele. No SindBancários de Porto Alegre e Região, as mulheres bancárias têm assessoria jurídica e psicológica, sempre preservando a identidade da trabalhadora.

Se você é vítima de assédio no ambiente de trabalho, seja sexual ou moral, procure o sindicato. Estamos aqui para protegê-la e orientá-la sobre como proceder Você não está sozinha. Denuncie! 

Fonte: Imprensa SindBancários com informações do portal Metropoles, Contraf-CUT e Fenae

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

FACEBOOK

SERVIÇOS

CHARGES

VÍDEOS

O BANCÁRIO

TWITTER