Movimento sindical cobra explicações do Santander sobre terceirização e gestão

Nesta terça-feira, 28 de julho, a Fetrafi-RS se reuniu com representantes da Superintendência de Relações Sindicais do Santander para discutir diversos temas que vêm preocupando os funcionários do Banco. Um deles é a terceirização através das empresas SX Negócios e Prospera.

Desde 2012, é a primeira vez que o Banco atinge um número abaixo de 45 mil trabalhadores, uma queda de 2.386 nos postos de trabalhos somente no primeiro trimestre de 2021.

“O Santander demitiu muitos funcionários durante a pandemia e outros acabaram saindo por conta da sobrecarga. Estamos preocupados com o movimento do Banco em direção à precarização cada vez maior do trabalho e cobramos esclarecimentos”, afirma o diretor de Comunicação da Fetrafi-RS, Juberlei Bacelo.

Além de Juberlei, participaram da mesa pela plataforma digital Teams, o diretor da Fetrafi-RS Luis Carlos Barbosa e os assessores jurídicos da Federação, Milton Fagundes e Antônio Vicente Martins, além do representante na Comissão de Empregados do Santander, Luiz Carlos Cassemiro, também diretor executivo do SindBancários; do presidente do Sindicato dos Bancários de Novo Hamburgo, Everson Gross e do coordenador do Sindicato de Rio Grande, Ângelo Terra.

Veja a seguir o que foi tratado na reunião.

Empresas SX Negócios e Prospera

O Banco confirmou que a SX Negócios e a Prospera são empresas do conglomerado. A SX Negócios está localizada nas cidades de Campo Bom, Novo Hamburgo/RS e Rio de Janeiro, porém, já tem operações em outros estados do Brasil.

Segundo o Santander, a empresa hoje conta com 3,8 mil trabalhadores, mas no site da SX Negócios está informado que já são mais de 4,5 mil trabalhadores. O Banco afirma que não existem ‘trabalhadores bancários’ na SX Negócios, mas atuando em duas áreas “tecnologia e atendimento” e que são representados pelo Sintratel-RS (Sindicato dos Empregados em Empresas de Telemarketing e Rádio-chamada do Rio Grande do Sul.

Segundo Everson Gross, vários trabalhadores já procuraram o Sindicato dos Bancários de NH para fazer denúncias que muitos trabalhadores terceirizados recebem abaixo do salário-mínimo. O banco alega, porém, que tem um sistema de complementação do salário.

A Prospera é uma empresa de Microfinanças que tem uma oferta de valor diferenciada para empreendedores que já têm uma atividade produtiva. Está presente em mais de 1,6 mil municípios de todo o Brasil e já tem uma carteira de crédito emprestado de R$ 5 bilhões.

“Fato é que analisando as vagas ofertadas nos dois sites das referidas empresas nos deparamos com vagas e atribuições relacionadas a serviços de bancários”, explica Luiz Carlos Cassemiro.  “Visivelmente o Santander está criando empresas dentro do seu ‘conglomerado’ para terceirizar parte da categoria bancária.”

Juberlei Bacelo não aceitou as justificativas do Banco para retirar dos terceirizados a legítima representação. “Esta conversa não se encerra aqui. Sempre tivemos um lema: quem trabalha em banco, bancário é. Nossas entidades representam todos os trabalhadores do ramo financeiro, portanto os funcionários dessas empresas deveriam, sim, ser representados pelos nossos sindicatos”, pontuou o diretor da Fetrafi-RS.

Gestões

O banco alterou o a estrutura de Superintendentes dividindo por portes de agências onde em cada regional passa a existir dois superintendentes, um para agências porte A e B e outro para agências porte C e D. “Percebe-se que após o banco fazer alterações na estrutura de pessoal nas agências, criando o cargo de ‘Gerente de Negócios e Serviços’ (GNS), os colegas ficaram sobrecarregados e não receberam treinamento adequado. Estes colegas têm que atender no caixa, na área comercial e vender produtos.”, diz o representante na COE-Santander.

O banco acolheu as colocações e ficaram de analisar possíveis correções.

Gerentes de Negócios e Serviços

Os representantes dos trabalhadores cobraram do Banco o não-pagamento da “quebra de caixa” dos GNS que atendem no caixa. O Santander alega que estes foram contratados antes da alteração na estrutura dos cargos e que atendem “eventualmente” no caixa por isto não tem direito a rubrica de quebra de caixa. “Discordamos completamente, pois no nosso entendimento e conforme rege nossa CCT o trabalhador que atende no caixa tem direito a quebra de caixa ou mesmo gratificação de função”, afirma Cassemiro.

Agência sem porta giratória

Os dirigentes sindicais questionaram o Banco a respeito da agência centenária localizada na Rua Sete de Setembro do Centro de Porto Alegre, que descumpre a legislação que regulamenta o sistema de segurança dos estabelecimentos bancários. Isso porque coloca o atendimento gerencial em espaço independente na agência, cujo acesso público se dá livremente, não havendo porta giratória para controlar a circulação de pessoas ou vigilantes armados para a proteção de empregados e clientes.

O banco ficou de analisar junto ao seu jurídico e retornará sobre esta pauta.

Fonte: Imprensa Fetrafi-RS

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

FACEBOOK

SERVIÇOS

CHARGES

VÍDEOS

O BANCÁRIO

TWITTER