Mais solidariedade ajuda professores

Educadores de duas escolas ligadas ao município de Porto Alegre sentem efeito de cortes de verbas, da suspensão de seus contratos e são ajudados pela solidariedade dos(as) bancários(as)

Eles entraram na leva de professores demitidos pelo prefeito Nelson Marchezan neste ano ou que tiveram seus contratos suspensos por causa da pandemia do coronavírus. De fato, professores, funcionários públicos municipais são tratados pelo prefeito porto-alegrense como inimigos quando são agentes fundamentais do funcionamento da máquina pública. Em tempos de coronavírus e Covid-19, os erros dos gestores públicos estão vindo à tona.

Na quarta-feira, 27/5, uma escola infantil em uma comunidade que a conquistou com muita luta e mobilização expôs a fragilidade dos investimentos em educação na prefeitura de Porto Alegre. A Sociedade União da Vila dos Eucaliptos (SUVE), no bairro Mário Quintana, virou exemplo de descaso municipal com a educação. A entrega de cestas pelo SindiBancários foi uma ação da associação de moradores que visa abastecer os professores demitidos pela prefeitura.

O SindBancários atravessou a cidade para levar também cestas básicas a outra comunidade afetada pela pandemia do coronavírus e da Covid-19. Do outro lado da cidade, a Escola Criança Cidadã, Escola Municipal no Jardim Leopoldina, bairro Rubem Berta, recebeu 20 cestas básicas. Dessas, 11 para professores da escola, também precarizados. Eles estão com os contratos suspensos pelo prefeito Nelson Marchezan desde março.

O presidente do SindBancáros, Everton Gimenis, tem percorrido a periferia de Porto Alegre e constatado uma ausência sistemática do poder público em tempos de pandemia de coronavírus. Aquilo que a austeridade da visão de gestão em Porto Alegre é dita como virtude tem piorado muito a vida populações das comunidades periféricas e afeta professores.

“Os gestores que optam por afastar professores, suspender contratos deveriam ter vergonha. Atendemos a um chamado da Escola Cidadã e do pessoal da Mário Quintana porque não são só os moradores que estão passando trabalho. São os professores. Falta competência e poder público numa hora em que as pessoas mais precisam”, criticou Gimenis.

O SindBancários mantém parceria com a Escola Cidadã há dois anos. Nesse período, campanhas de arrecadação periódicas são realizadas pelo Sindicato de alimentos e brinquedos para entrega na sede da escola. “Entregamos cestas básicas para nove famílias de crianças da escola que também estão passando por dificuldades. Há desempregados e outros que estão em casa devido à escola estar fechada pelo Governo Municipal e assim não tem onde deixarem suas crianças”, contou o diretor do SindBancários, Jailson Bueno Prodes.

O maior valor é a doação

O Sindicato já doou mais de 1 mil cestas básicas e ajudou na produção de quentinhas. Os recursos saem das doações (saiba como doar nas contas do Sindicato abaixo) e de investimentos com recursos próprios. O objetivo do Sindicato é dispor suas contas bancárias para quem desejar doar qualquer valor. As doações serão destinadas à compra de alimentos e itens de higiene, que serão doados a populações em vulnerabilidade social da nossa base territorial.

Atenção para os dados das contas

Titular: SINDICATO DOS BANCÁRIOS DE PORTO ALEGRE E REGIÃO

CNPJ: 92.831.650/0001-05

 

Banco: 104

CAIXA ECONÔMICA FEDERAL

Agência: 3567

Operação: 013 (Poupança)

Conta: 6842-3

 

Banco: 041

BANRISUL

Agência: 0100

Conta Corrente: 06.193660.0-3

 

 

Fonte: Imprensa SindBancários

 

 

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

FACEBOOK

SERVIÇOS

CHARGES

VÍDEOS

O BANCÁRIO

TWITTER