Luta em Defesa do Banrisul Público ganha força em audiência pública em Santo Ângelo

A cada semana a luta em defesa do Banrisul ganha novos apoios regionais, ampliando a rede de ação contra a privatização ou federalização do Banco. Na terça-feira à noite, a mobilização ocorreu na Câmara de Vereadores de Santo Ângelo, através da realização de mais uma audiência pública. A atividade contou com a participação do deputado estadual Jeferson Fernandes, da diretora da Fetrafi-RS, Denise Corrêa, de diretores dos sindicatos de Santo Ângelo, Santa Rosa, Ijuí e Cruz Alta, além de banrisulenses da região e representantes de outras categorias.

A diretora da Fetrafi-RS enfatiza que o “torra torra” de empresas públicas proposto pelo Governo Sartori é uma afronta ao povo gaúcho. “Já vivemos com uma estrutura de estado mínimo e agora o governador quer impor a liquidação de instituições muito valiosas para o povo gaúcho, como é o caso do Banrisul. Estamos fazendo um grande esforço para garantir o apoio do conjunto da sociedade para impedir o processo de privatização”, garante a dirigente sindical.

Segundo a sindicalista, o apoio da Frente Parlamentar tem sido essencial para a luta em defesa do Banrisul. “Além de dar visibilidade as nossas ações pela manutenção do Banco, o empenho dos parlamentares que integram Frente abre novos espaços de resistência diante dos ataques a toda a estrutura pública do RS”, ressalta Denise.

O Banrisul em números:

537 agências.

Única agência bancária em 96 municípios gaúchos.

Cobertura de 98,5% da população do RS.

Lucro de R$ 659,7 milhões em 2016.

Um dos 200 maiores grupos econômicos do Brasil.

Em 2016 realizou:

– R$ 2,5 bilhões crédito agrícola.

-25 bilhões de transações no Vero.

-9,8 bilhões de operações no Banricompras.

Dividendos:

De 2007 a 2016 repassou R$ 2,8 bilhões em dividendos para o estado do RS.

Desde a venda de 43% das ações, em 2007, deixou de repassar R$ 849 milhões em dividendos.

Sonegação no RS – Dados da Associação dos Técnicos Tributários do RS (Afocefe):

– 2016- R$ 7,8 bilhões.

Renúncia fiscal em 2015: R$ 16,4 bilhões (ver discriminação abaixo), o equivalente a 13 folhas de pagamento do funcionalismo ou três vezes o déficit do Estado, que é de R$ 4,9 bilhões.

– R$ 8,9 bilhões em desonerações;

– R$ 3,6 bilhões em perdas de ICMS com exportações;

– R$ 3,9 bilhões em perdas de ICMS derivadas da lei Kandir.

Compensação das perdas da lei Kandir (créditos que o Estado tem a receber do governo federal): R$ 48 bilhões.

Fonte: Comunicação/Fetrafi-RS

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

FACEBOOK

SERVIÇOS

CHARGES

VÍDEOS

O BANCÁRIO

TWITTER