Leilão de privatização da CEEE-Transmissora acontece nesta sexta, em SP

Esfacelamento da estatal gaúcha por governo Leite, segue. Sob controle do Estado sobrará apenas a CEEE-G

O leilão do braço de transmissão da Companhia Estadual de Energia Elétrica (CEEE-T), que acontece na nesta sexta-feira, 16, em São Paulo, deve ser marcado pela disputa entre as empresas interessadas em adquirir a estatal. O lance mínimo é de R$ 1,69 bilhão – mas o Governo do Rio Grande do Sul tem a expectativa de que o valor inicial seja duplicado pela vencedora do certame, batendo a marca dos R$ 3 bilhões.

Apesar de prosseguir o quadro de desmonte das estatais estratégicas do RS, a situação é diferente de há três meses, quando a CEEE-D foi arrematada pelo consórcio nordestino Equatorial Energia, pelo valor simbólico de R$ 100 mil (preço de um automóvel…). Isso porque, ao contrário da distribuidora, a transmissora está financeiramente estável e conta com ativos importantes. O principal deles é a operação de mais de seis mil quilômetros de linhas de transmissão, além de 15,7 mil estruturas.

O leilão da CEEE-T acontece na Bolsa de Valores de São Paulo, a B3. O governador Eduardo Leite (PSDB) está na capital paulista, onde acompanha pessoalmente o processo, iniciado às 11h. “A expectativa é de que os serviços melhorem na área rural, em especial, onde são necessários grandes investimentos”, disse ainda non início desta semana o secretário estadual de Meio Ambiente e Infraestrutura, Luiz Henrique Viana.

Geração

Autorizada pela Assembleia Legislativa em 2019, a desestatização da CEEE teve seu modelo definido em parceria com o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). O processo chegou a ser alvo da Justiça – fato que acabou congelando, através de decisões liminares, o processo de venda.

Após a venda da CEEE-T, restará sob o controle do Estado apenas a CEEE-G, responsável pela geração da energia que abastece a residência dos clientes da companhia. A expectativa é de que o leilão aconteça entre o final deste ano e o início de 2022, também na Bolsa de Valores.

Ação judicial

Ainda na segunda-feira, 12, a Associação dos Engenheiros do Setor de Energia Elétrica do Estado do Rio Grande do Sul (AECEEE) ingressou com uma nova petição na Justiça Estadual pedindo o adiamento do leilão da CEEE-T que agora ocorre. A petição solicitava que o leilão seja suspenso “até que seja apresentado documento formalizado pela CEEE-D, CEEE-T e CEEE-G de como irão efetuar o depósito dos compromissos ao Fundo de Previdência do Plano CEEEprev e ao Plano Único”.

Passivo previdenciário

“A questão tem  outros aspectos que não estão sendo considerados neste desmanche da infraestrutura pública do estado. Além de ameaçar o próprio abastecimento de energia elétrica, há um problema de desemprego que costuma acompanhar estas privatizações”, lembrou um dirigente sindical.  Já segundo a Associação dos Engenheiros, há um passivo previdenciário de R$ 2,329 bilhões, devido pela CEEE-D e pela CEEE-GT ao fundo de pensão dos empregados da companhia, os planos CEEEprev e o Único.

Fontes: CUT-RS, AECEEE e RGNotícias, com Edição de Imprensa SindBancários. Foto: CUT-Nacional

 

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

FACEBOOK

SERVIÇOS

CHARGES

VÍDEOS

O BANCÁRIO

TWITTER