III Fórum Nacional pela Visibilidade Negra propõe aos bancários debate sobre de práticas discriminatórias nos bancos

A Contraf-CUT realizará o III Fórum Nacional pela Visibilidade Negra no Sistema Financeiro, nos dias 11 e 12 de abril, em Curitiba. Bancários de todo o país vão se reunir com o objetivo de debater as práticas discriminatórias que favorecem somente aqueles que hegemonicamente detêm o capital, segregando e precarizando as relações e as condições de trabalho na sociedade, a fim de concentrar riquezas.

O II Censo da Diversidade, divulgado pela Fenaban em 2014, mostrou que, dos 500 mil bancários que atuam no setor, somente 24,7% dos trabalhadores nos bancos brasileiros são negros. Deste percentual, apenas 3,4% se declararam pretos. Nesta mesma pesquisa, nem aparece os dados da mulher negra. Para o secretário de Combate ao Racismo da Contraf-CUT, Almir Aguiar, os dados demonstram a importância do debate neste terceiro fórum. “Os bancos continuam com suas políticas discriminatórias, tanto na contratação, como na ascensão profissional e na remuneração, onde os negros ganham 87% dos salários dos brancos. Isso mostra que teremos uma luta árdua pela frente para acabar com essa discriminação na categoria bancária e adequar a nossa realidade. Vale lembrar que, segundo o IBGE, em julho de 2014, a população brasileira era de 202,7 milhões de habitantes, das quais, 53% é composta de negros”, acentuou Almir Aguiar.

Os dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) de 2013, do IBGE, apontam que os negros são mais da metade da população brasileira. São 52,9% do total daqueles que se declaram pretos e pardos. Na Câmara dos Deputados, por exemplo, quase 80% dos deputados se declararam brancos. Nos espaços acadêmicos, de um total de 387,4 mil pós-graduandos, somente 112 mil são negros. Mesmo com todos os avanços das políticas afirmativas e do Estatuto da Igualdade Racial, ainda assim, o espaço dos negros no meio acadêmico representa apenas 28,9% do total.

“O preconceito e a discriminação estão em todos os segmentos profissionais, e nós temos que lutar para o fim dessas práticas no trabalho e na vida. E os bancários têm sido protagonistas nas lutas pela igualdade de oportunidades, e pelo fim de todas as formas de preconceito”, disse Almir.

Fonte: Contraf/CUT

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

FACEBOOK

SERVIÇOS

CHARGES

VÍDEOS

O BANCÁRIO

TWITTER