Funcionários do BB aprovam acordo emergencial

Sindicatos dos bancários de todo o país realizaram assembleias na quinta e sexta-feira (1º e 2/7) e aprovaram o acordo que veta descomissionamento durante a pandemia, garante férias de 15 dias, abona dias 7 a 9, 28 e 29 de abril para quem estava em casa e concede desconto de 10% sobre banco de horas negativo

Sindicatos de todo o país realizaram, nos dias 1º e 2 de julho, assembleias eletrônicas para que os funcionários do Banco do Brasil deliberassem sobre o Acordo Coletivo de Trabalho Emergencial (Pandemia Covid-19), que trata sobre acertos firmados em mesa de negociações entre o Comando Nacional dos Bancários, a Comissão de Empresa dos Funcionários do Banco do Brasil (CEBB) e o banco.

De todos os funcionários votantes, 83,68% aprovaram o acordo e 14,46% rejeitaram. Os 1,86% restantes votaram em branco, ou nulo.

“Aprovar este acordo foi importante para garantir mais tranquilidade para que os bancários tenham um pouco mais de paz e menos preocupações neste tempo de pandemia”, avaliou o coordenador da Comissão de Empresa dos Funcionários do Banco do Brasil (CEBB), João Fukunaga. “Só em saber que o banco não poderá descomissionar nenhum funcionário por desempenho e terá que garantir o mínimo de descanso após o término da pandemia já é um alívio. Mas, o acordo ainda traz outras conquistas, como o abono de cinco dias que poderiam entrar na soma do banco de horas negativo e o desconto de 10% sobre o saldo de horas a compensar”, completou.

“Este acordo foi conquistado graças às duras negociações do Comando Nacional dos Bancários e da comissão de funcionários que se arrastavam desde o início da pandemia. Ele evita que os funcionários tenham maiores prejuízos devido às medidas adotadas pelo banco para garantir a saúde e a segurança sanitária de toda a sociedade”, lembrou a secretária de Juventude e representante da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT) nas negociações com o banco, Fernanda Lopes.

A diretora do SindBancários e funcionária do Banco do Brasil, Bianca Garbelini saudou a decião dos colegas em plena pandemia do coronavírus como uma conquista. “A aprovação da proposta é uma grande conquista dos trabalhadores. Nossa preocupação prioritária é proteger a saúde e a vida e garantir que quem está na linha de frente não corra risco de descomissionamento durante a pandemia”, afirmou.

Fonte: Imprensa Contraf-CUT, com Imprensa do SindBancários

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

FACEBOOK

SERVIÇOS

CHARGES

VÍDEOS

O BANCÁRIO

TWITTER