Frente Brasil Popular marca ato para 13/11 em Brasília

Mais de 66 movimentos sociais, entre eles a Central Única dos Trabalhadores (CUT), que compõem a Frente Brasil Popular (FBP) decidiram ir às ruas em Brasília no próximo dia 13 de novembro. A decisão foi tomada na reunião do Coletivo Nacional da FBP, que aconteceu na segunda, 26/10, na sede da Contraf-CUT, em São Paulo.

Diante de pautas conservadoras, lideradas pelo presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, que tira direitos dos trabalhadores e atacam os princípios da democracia, tentando deslegitimar a presidenta do Brasil, Dilma Rousseff, eleita democraticamente. E contra decisão do governo que implementa medidas fiscais antipopulares que prejudicam a classe trabalhadora, movimentos se organizam nacionalmente para defender o país.

Para a secretária de Mobilização e Relação com Movimentos Sociais da CUT, Janeslei Albuquerque, a unidade dos movimentos e a mobilização são fundamentais para enfrentar este momento tão difícil na conjuntura política e econômica do país.

“Só com povo na rua, numa luta forte e unitária, teremos condições de sermos vitoriosos numa luta democrática contra a direita golpista e contra a ofensiva conservadora sobre os direitos civis, sobre os direitos sociais e direitos políticos”.

O dia 13 foi escolhido porque entre os dias 12 e 15 de novembro, acontecerá na capital federal, o 41º Congresso da UBES, que tem previsão de reunir mais de 15 mil jovens. A ideia é unir as pautas e fazer um grande ato.

“Nos somaremos à passeata dos jovens da União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (UBES) e faremos uma grande manifestação em Brasília em defesa da democracia, em defesa dos direitos dos trabalhadores, em defesa da mudança da política econômica e em defesa da Petrobras”, justifica o coordenador Nacional do Movimento Sem Terra (MST), João Pedro Stédile.

Para a presidenta da UBES, Barbara Melo, esta decisão só confirmou a unidade da Frente. “A gente acredita que neste momento da conjuntura, com risco de golpe e o avanço do conservadorismo, só com unidade dos movimentos sociais é que iremos ter conquistas. O grito “Fora Cunha” dá unidade para toda a sociedade brasileira”.

De acordo com o diretor executivo da CUT, Julio Turra, é preciso aglutinar forças para defender os projetos do Brasil, contra as ofensivas da classe dominante. “Sem dúvida nenhuma estamos empenhados para fazer da Frente Brasil Popular uma grande força. Ela é nacional move os setores que acreditamos que devem ser envolvidos. Tem uma plataforma clara e está aberta a todos que queiram participar. Estamos empenhados na unificação para fazer uma grande frente”, disse.

Segundo a presidente da CUT Minas Gerais, Beatriz Cerqueira, que compõe a frente estadual, pautas como a atual política econômica e as retiradas de direitos, que mexem na vida dos trabalhadores, também dialogam com a população. “A gente precisa dialogar para além de nós mesmos, precisamos conversar com a classe trabalhadora em geral para não aderir ao um conservadorismo cada vez mais reinante nos meios de comunicação. Porque nós sabemos que uma saída pela esquerda é possível”.

Para Orlando Guilhon, do Fórum Nacional Pela Democratização da Comunicação (FNDC) no Rio de Janeiro, a Frente tem outro grande desafio. “Tem que tentar resgatar a discussão de um projeto para o país com reformas estruturantes, que desde o governo João Goulart vem discutindo e que nunca conseguiu colocar em prática”.

Para Stédile a pauta é uma só: defender o Brasil. “E isso só será possível se as forças populares forem constituindo frentes, alianças que não tiram as especificidades de cada movimento, porém aglutinando aquilo que é fundamental para alterar a correlação de forças, que é a mobilização popular”.

Dia 10 de Dezembro

Também ficou decidido pelo coletivo que cada estado fará um ato político cultural no dia 10 de dezembro, dia internacional dos direitos humanos, contra intolerância e contra as manifestações fascistas.

Fonte: CUT Nacional

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

FACEBOOK

SERVIÇOS

CHARGES

VÍDEOS

O BANCÁRIO

TWITTER