Do fracasso à teimosia?

O que o governador Eduardo Leite falou na mídia sobre a fracassada venda de ações do Banrisul e o que essas frases podem fazer na política gaúcha

Errático. Surpreendido. Sem estratégia. Por certo ninguém disse isso pessoalmente ao dono das palavras abaixo em sua tentativa de vender ações do Banrisul o início da semana até a desistência na quinta-feira, 19/9.

Mas que o pregão da B3 deu uma lição no governador Eduardo Leite, disso não temos nenhuma dúvida. Resta saber se ele aprendeu.

No mesmo dia em que Leite se viu obrigado a recurar e cancelar a venda de 71 milhões de ações ordinárias (com direito a voto) do Banrisul, a B3, deputados estaduais de sete partidos, passando pelo Psol ao PT e chegando ao PSL, MDB e Novo, mandaram um recado direito. Governador, somos todos contra à venda de ações do Banrisul. Não insista.

Com todos esses recados, teremos que ver se ele vai insistir no erro e em defender o mau negócio que é fatiar o Banrisul ou mesmo privatizá-lo todo. Ele já conseguiu um feito. Apontam-lhe as promessas de campanha que ele não consegue cumprir, sendo a principal colocar o salário do funcionalismo em dia. E ele prometeu que faria isso sem vender O Banrisul porque seu antecessor não fez porque era… incompetente.

Bueno, neste Feriadão de 20 de Setembro, dê um google no nome do governador e leia o que ele andou dizendo no calor do fracasso da venda de ações do Banrisul quando o valor do papel bateu em R$ 18,50.

Ele parece não se dar por vencido. Em uma de suas declarações registradas pela reportagem do jornal Zero Hora, no site gauchazh.clicrbs.com.br (com base na coletiva que o governador deu nesta quinta, 19/9) ele voltou a repassar a responsabilidade pelo debate da privatização do Banrisul para a Assembleia Legislativa.

Mas como se a Assembleia já entregou uma Proposta de Emenda Constitucional (PEC) com 24 assinaturas para derrubar a obrigatoriedade do plebiscito para venda do Banrisul, Procergs e Corsan? Se a base dele no parlamento se juntou com a oposição ao governador na venda de ações… Vamos acompanhar as frases de Eduardo Leite durante a crise da venda de ações do Banrisul. E ver onde isso vai nos levar!

Transferência de responsabilidade

Toda a imprensa bebeu das informações ofertadas por especialistas que desconheço e que representam interesses outros, distintos. É importante ser dito. Tem de ser dado a eles um grande desconto nas suas afirmações. O projeto todo foi bem estruturado e bem coordenado. Agora, negociar com as câmeras, com o debate público, com todos os dias jornais dando páginas inteiras debatendo a situação fiscal do Estado e como seria utilizado o dinheiro das ações, evidentemente, isso criou um ambiente que tornou a operação inviável.”

Bola com a Assembleia

A Assembleia Legislativa pode e deve ser o correto fórum para esse debate. Se através dos seus representantes o povo gaúcho demonstrar que admite a venda do banco, eu estarei pronto pra conversar sobre o tema.”

Reformas estruturais

O foco do nosso governo está nas reformas estruturais, aquelas que resolvem o que causa o déficit. Não acho que a privatização seja um tabu e nem que não mereça ser discutida. Mas a prioridade do nosso governo está nas reformas do custo da máquina pública.”

Sem espaço para a privatização. Será?

A questão da privatização é um compromisso que assumimos. Não vejo espaço para que haja a privatização do banco e continuamos nesse sentido. Se nada mudar no cenário da Assembleia em relação a isso, não haverá disposição desse governo de levar qualquer privatização a efeito.”

Só não vale é se fazer de vítima. Ser governador é um privilégio

Esse é um propósito firme do nosso governo e continua a ser perseguido. Essa operação (de venda de ações) era uma oportunidade de viabilizar recursos extraordinários em volume que ajudariam o Estado no cumprimento dessa missão. Mas jamais foi a única forma, a única ferramenta ao qual o governo se alicerçou para poder fazer esse cumprimento, que não é apenas um compromisso, é uma estratégia de gestão. São 45 meses de salários em atraso no RS, isso não afeta apenas os servidores, isso afeta nossa economia como um todo. Lançaremos mão de outras estratégias para colocar os salários em dia e ajudar na retomada no desenvolvimento do Estado.”

Crédito foto: Felipe Dalla Valle/ Palácio Piratini

Fonte: Imprensa SindBancários

 

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

FACEBOOK

SERVIÇOS

CHARGES

VÍDEOS

O BANCÁRIO

TWITTER