Cortes nos gastos com segurança do governo Sartori leva SindBancários a ocultar locais de atos em agências vulneráveis

Os colegas bancários sabem que os dirigentes sindicais costumam mobilizar os bancários quando uma agência tem algum problema. Costumamos realizar paralisações quando há casos de assédio moral, diante da falta de funcionários que gera sobrecarga ou qualquer tipo de precarização. Há casos também em que agências ficam paralisadas após a ocorrência de um assalto, sequestro ou por algum problema relacionado à segurança.

Nesses casos, o Sindicato passou a adotar a estratégia de não revelar a localização local da agência que foi paralisada. Foi o que aconteceu na semana passada com duas agências do Banrisul na área de abrangência do SindBancários. As duas estavam com problemas nas portas-giratórias. Diante da insistência dos gestores de manter as duas agências em funcionamento, mesmo sem oferecer segurança e, de forma ilegal, dirigentes do SindBancários atuaram.

Na foto que ilustra essa reportagem, da esquerda para a direita, aparecem em frente a uma agência bancária, os dirigentes do SindBancários, Carmen Lucia Guedes, Jorge Almir e Antônio Augusto Borges de Borges. Os três foram informados de que, nessa agência a porta-giratória estava com defeito. “Trabalhamos em sigilo porque os bancários estão com muito medo. Mesmo com os equipamentos de segurança em funcionamento, há vulnerabilidades. Não podemos expor os colegas a qualquer risco”, diz o dirigente do Sindicato, Antônio Augusto.

A preocupação faz sentido. Ainda mais se considerarmos que, apenas neste mês de julho, em seus primeiros 13 dias, já houve oito ataques a bancos no Rio Grande do Sul, um a cada 39 horas. Além do mais, o governo do Estado, capitaneado pelo governador José Ivo Sartori, cortou verbas da segurança.

Viaturas sem gasolina, falta de policiamento por corte no pagamento de horas extras e sem chamar policias militares e civis aprovados em concurso são um prato cheio para criminosos que atacam bancos. “Não podemos, de jeito nenhum, dizer, neste momento, onde há problemas com segurança. Com menos policiais nas ruas, a chance de violência cresce muito”, diz o diretor da Fetrafi-RS, Jorge Almir.

Para a diretora Carmen Lucia Guedes, a atitude do Sindicato visa preservar a saúde dos trabalhadores. “Os colegas estão com medo nas agências. E o medo adoece. Já virou rotina os bancários chegarem nas segundas-feiras e ver paredes arrombadas, caixas eletrônicos destruídos. A porta-giratória tem que estar funcionando. E, se não estiver, a agêwncia não oferece segurança e tem que ficar fechada”, acrescenta Carmen.

Confira abaixo a legislação em segurança bancária de Porto Alegre. O SindBancários atua na defesa dos trabalhadores. Cobramos emissão de Comunicação de Acidente de Trabalho (CAT) e atuamos tanto na prevenção, ajudando municípios a criar legislação específica, assim como recebendo denúncias de colegas bancários. Se a sua agência estiver vulnerável, não pense duas vezes. Denuncie ao Sindicato.

Saiba como denunciar

Denuncie no Tudotemlimite!

Os trabalhadores que tenham alguma denúncia de assédio moral ou qualquer outro tipo de problema, como falta de condições de trabalho nas agências (problemas com equipamentos obrigatórios de segurança, falta de funcionários) devem denunciar nos canais do Sindicato. O SindBancários mantém um canal direto de denúncia, o Tudotemlimite. Denuncie para que possamos atuar, proteger o trabalhador. Ajude-nos a erradicar o assédio moral dos bancos, proteger a saúde dos bancários e criar um ambiente de trabalho decente. A identidade de quem denuncia é preservada.

Ligue: (51) 3433-1225/3433-1200

www.sindbancarios.org.br/tudotemlimite

[email protected]

Confira legislação em Porto Alegre

Câmeras de Vídeo

A Lei n° 8.115, de 5 de janeiro de 1998, define a instalação de câmeras de vídeo internas para reforçar a segurança nas agências e postos bancários de Porto Alegre, inclusive nas áreas de auto-atendimento.

Portas de Segurança

A Lei n° 7.494, de 15 de setembro de 1994, foi a primeira do país a definir colocação de portas giratórias com detecção de metais, para aumentar a segurança nos bancos, tanto para os bancários como para clientes e usuários.

Vidros à prova de balas

A Lei n° 10.397, de 2 de abril de 2008, obriga, nas fachadas externas no nível térreo e nas divisórias internas das agências e nos postos de serviço bancários no mesmo piso, no município de Porto Alegre, a instalação de vidros laminados resistentes à impactos e à disparos de armas de fogo.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

FACEBOOK

SERVIÇOS

CHARGES

VÍDEOS

O BANCÁRIO

TWITTER