Conferência de Políticas para Mulheres reúne representantes brasileiras em Brasília

Três mil mulheres de todo o Brasil reúnem-se para a 4ª Conferência Nacional de Políticas para as Mulheres (4ª CNPM) de 10 a 12 de maio, no Centro de Convenções Ulysses Guimarães em Brasília. Com o tema “Não permitir retrocessos”, representantes dos 26 Estados e do Distrito Federal debatem avanços relacionados aos direitos das mulheres e fazem o diagnóstico das conquistas obtidas nos últimos anos. Como resultado, serão feitas recomendações para o Plano Nacional de Políticas para as Mulheres (PNPM).

Para a secretária de Mulher da Contraf-CUT, Elaine Cutis, o momento deve ser de resistência, para que o cenário conturbado que o país atravessa não interfira nas políticas públicas para as mulheres, conquistadas nos últimos anos. “Nós temos que valorizar o que foi construído até agora, como a lei Maria da Penha, de combate à violência contra mulher ou mesmo o Programa da Mulher Trabalhadora, para que estas conquistas não se percam. Precisamos dar continuidade e avançar. Por isso, é de extrema importância a nossa resistência e a participação de mulheres de várias partes do país na Conferência. Vamos dizer não ao golpe”, ressalta a secretária que participa da 4ª Conferência Nacional em Brasília.

Alckmin dificulta ida das mulheres à conferência nacional

O governador de São Paulo Geraldo Alckmin (PSDB) respondeu negativamente às delegadas eleitas na conferência estadual. Ele não arcará com os custos das passagens de todas as que foram eleitas, ainda que esta despesa esteja sob sua responsabilidade.

Das 419 mulheres, 60% das representantes são da sociedade civil (295), 30% das gestões municipais (80) e 10% do Governo do Estado de São Paulo (44). O governo paulista assumiu apenas o custo de suas representantes estaduais e, depois de ser pressionado pela Comissão Organizadora da 4ª Conferência no Estado de São Paulo, da qual a CUT participa, respondeu, por e-mail, com um comunicado de “pesar” às demais mulheres, sinalizando que “infelizmente” não cumprirá com o seu papel.

A secretária Nacional da Mulher Trabalhadora da CUT, Junéia Batista, avalia que, mais uma vez, o estado paulista mostra sua face. “O governo de São Paulo não pode eleger quem ele quer para uma conferência desta amplitude. Estamos falando do uso do dinheiro público que está sendo direcionado de forma equivocada e parcial”, afirma.

Etapas preparatórias

O processo conferencial, iniciado em junho de 2015 com as etapas preparatórias, mobilizou mais de 150 mil pessoas em torno do debate. “Estamos convictas da força e da luta das mulheres, nos mais diversos movimentos e organizações por todo o país”, afirma a secretária especial de Políticas para as Mulheres, Eleonora Menicucci, do Ministério das Mulheres, da Igualdade Racial, da Juventude e dos Direitos Humanos. Ela ressalta, ainda, a importância do trabalho desenvolvido pela SPM ao longo desses 13 anos para garantir os direitos das mulheres. “As ações da Secretaria são fundamentais para impulsionar, de forma definitiva, a construção de um Brasil mais justo, desenvolvido, participativo e de igualdade entre homens e mulheres”, afirma.

Inovação democrática

A novidade desta 4ª Conferência é a realização de consultas nacionais com grupos que tradicionalmente encontram maior dificuldade de acesso e expressão nos processos convencionais de participação social. Mulheres transexuais, ciganas, mulheres com deficiência, indígenas, quilombolas e de religião de matriz africana tiveram suas Consultas Nacionais.

Fonte: Fenae com Contraf/CUT

 

 

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

FACEBOOK

SERVIÇOS

CHARGES

VÍDEOS

O BANCÁRIO

TWITTER