Com um ataque a banco a cada 36 horas, 2015 é o ano mais violento em 10 anos até maio. Corte na segurança é uma das causas

Os primeiros 131 dias do ano registraram, segundo levantamento do SindBancários, um ataque a banco a cada 36 horas no Rio Grande do Sul. Até a segunda-feira, 11 de maio,  foram 86 ataques. Desde 2006, nos quatro primeiros meses de abril e mais 11 dias de maio, nenhum ano havia sido tão violento para os bancários. Apenas no ano passado, o volume pode se comparar quando comparados os primeiros 131 dias. Foram 85 ataques em 2014, um a menos do que este ano.

O SindBancários acompanha e produz estatística nos últimos 10 anos a partir do acompanhamento das notícias sobre ataques a bancos publicadas na Internet e em jornais impressos. Não houve tantas ocorrências nos primeiros quatro meses do ano como em 2015 desde que o acompanhamento se iniciou em 2006. Não é por acaso que uso de explosivos, arrombamentos de caixas eletrônicos com maçaricos, funcionários de empresas que ficam de madrugada reféns de criminosos tiveram crescimento em termos de número de casos. Trata-se de um efeito do corte de investimentos que o governo do Estado, capitaneado pelo governador José Ivo Sartori, anunciou no início do ano assim que tomou posse. O recuo dos investimentos atinge até 20% na área de segurança.

“Neste fim de semana, houve a prisão de uma quadrilha muito bem armada num sítio na cidade de Nova Hartz, no Vale do Sinos. Não sabemos se, a partir de agora, haverá um impacto tão grande por causa de uma prisão como esta. Pela nossa experiência e pelo levantamento que realizamos, temos o maior volume de ocorrências nestes primeiros quatro meses do ano, somando os primeiros 11 dias de maio. Isso é um absurdo. O corte nos investimentos tem relação muito próxima com este crescimento. Se não tivesse, teríamos uma redução nos índices e não o maior volume dos último 10 anos”, avalia o presidente do SindBancários, Everton Gimenis.

Um das ações que tem marcado esses primeiros quatro meses é quanto ao tipo de ataque. A maioria são arrombamentos de caixas eletrônicos com uso de explosivos ou maçaricos. Mesmo que não encontrem bancários nas agências na hora dos ataques, a violência contra trabalhadores se manifesta de duas maneiras.

A primeira é que os bancários, ao chegarem nas agências pela manhã para trabalhar, encontram ou buracos nas paredes ou a agência praticamente destruída por uma explosão. Isso leva a numa noção de que a agência é vulnerável e que o trabalhador não está protegido. A outra questão, relacionada às explosões, é que as agências, em geral, se localizam em andares térreos de prédios residenciais, o que coloca em risco de morte moradores.

Maio mais violento e feriadões

Os primeiros 11 dias de maio não têm comparação em termos de ocorrências nos últimos 10 anos (veja gráfico acima). Foram 14. Desde 2006, somente os anos de 2013 e 2014 chegaram perto. Cada um registrou 11 ataques até o dia 11 de maio. Além disso, essas 14 ocorrências ocorridas até 11 de maio de 2015 só não superam a totalidade (todos os 31 dias contados) dos maios de 2014 (21) e 2013 (17) (veja gráfico). Os outros sete anos ficaram para trás na violência de 2015.

Leia aqui como foram as duas últimas ocorrências deste mês.

Outra avaliação que pode ser feita relaciona-se ao comportamento das quadrilhas.  Como os criminosos costumam se associar e se especializar, estamos diante de quadrilhas que sabem manusear explosivos e conhecem a estrutura de caixas eletrônicos. Outra questão diz respeito às datas dos ataques. Os criminosos e as quadrilhas têm, ao menos em 2015, optado por atacar agências bancários aos fins de semana quando há menos policiais nas ruas e nos feriadões (foi assim no Carnaval e na Páscoa). E quando as diárias e horas extras são cortadas, os ladrões, ironicamente, se sentem mais seguros.

https://www3.sindbancarios.org.br/wp-content/uploads/2015/05/11052015es.pdf

 Maio 2015

1.Dia 1 – Banrisul (Santa Maria do Herval). Arrombamento de caixa eletrônico.
2. Dia 1 – Banco do Brasil (Cachoeirinha). Arrombamento de caixa eletrônico.
3. Dia 1 – Banrisul (Passo do Sobrado). Tentativa de arrombamento de caixa eletrônico.
4. Dia 1 – Não informado (Três Forquilhas). Arrombamento de caixa eletrônico.
5. Dia 2 – Banco do Brasil (Tramandaí). Tentativa de arrombamento de caixa eletrônico.
6. Dia 2 – Não informado (São Leopoldo). Tentativa de arrombamento de caixa eletrônico
7. Dia 3 – Banco do Brasil (Jaguarão). Arrombamento de caixa eletrônico com maçarico.
8. Dia 4 – Banco do Brasil (Três de Maio). Assalto com reféns.
9. Dia 6 – Santander (Campo Bom). Tentativa de arrombamento de caixa eletrônico.
10. Dia 8 – Banco do Brasil (Ana Rech – Caxias). Explosão de caixa eletrônico.
11. Dia 8 – Banrisul (Ana Rech – Caxias). Explosão de caixa eletrônico.
12. Dia 8 – Não informado (Arroio do Meio). Arrombamento de caixa eletrônico na Vonpar.
13. Dia 10 – Santander (Porto Alegre, FAPA). Arrombamento de caixa eletrônico com refém.
14. Dia 11 – Banco do Brasil (Cachoeira do Sul). Arrombamento do cofre .

https://www3.sindbancarios.org.br/wp-content/uploads/2015/05/estatistica_do_medo_11052015.pdf

 

Fonte: Imprensa SindBancários

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

FACEBOOK

SERVIÇOS

CHARGES

VÍDEOS

O BANCÁRIO

TWITTER