Coletivo de Segurança da Contraf debate planejamento estratégico para 2017

O Coletivo de Segurança da Contraf-CUT esteve reunido na segunda e terça-feira, 06 e 07/02, na sede da Confederação, em São Paulo, para debater o planejamento estratégico de ações para o ano. O principal assunto debatido foi o projeto de lei, aprovado em dezembro pela Câmara dos Deputados, que pretende instituir o Estatuto de Segurança Privada. Este estatuto é uma ameaça ao direito de greve dos bancários.

Apesar de tratar da obrigatoriedade de instalação de diversos novos itens de segurança nas agências bancárias, a exemplo dos biombos e portas giratórias, o projeto ataca frontalmente a liberdade do exercício dos direitos de greves do bancário, uma vez que pretende transformar o trabalho bancário em ‘atividade essencial’, o que visa impedir a realização de paralisações”, explicou o secretário de Políticas Sindicais da Contraf-CUT, Gustavo Tabatinga.

O Coletivo também tratou da realização de um seminário para aprofundar a temática da segurança bancária para a categoria. “A intenção é formar novos dirigentes especializados no debate sobre segurança”, completou João Rufino Filho, diretor do Sindicato dos Bancários de Pernambuco.

Abertura remota de agências

O grupo ainda definiu que, em 2017, aumentará a atuação junto à Comissão Consultiva para Assuntos de Segurança Privada (CCASP), com a participação em dois grupos de trabalho: um sobre dispositivos de abertura remota das agências e outro sobre a guarda de armas nas agências. “Será uma ótima oportunidade para o coletivo apresentar a visão dos bancários à Polícia Federal e às entidades membros da CCASP”, afirmou Sandro Matos, diretor do Sindicato dos Bancários do Pará.

Outro tema abordado durante os dois dias de reunião foi a elaboração de uma estratégia para expandir a discussão sobre segurança bancária para as federações e os sindicatos. Será elaborado nova pesquisa de ataques a bancos e a intenção é criar uma dinâmica participativa na construção e na captação desses dados. “Necessitamos elaborar uma estatística junto com o Dieese confiável e constantemente atualizada dos ataques a bancos para fomentar nosso debate nas negociações com os banqueiros”, disse Valdir Machado, diretor da Fetec-SP

Fonte: Imprensa SindBancários com Contraf-CUT

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

FACEBOOK

SERVIÇOS

CHARGES

VÍDEOS

O BANCÁRIO

TWITTER