COE Itaú discute medidas contra a COVID-19

Representantes dos trabalhadores reivindicam reunião com a direção do banco para cobrar mais ações de proteção nas agências

A Comissão de Organização dos Empregados (COE) do Itaú se reuniu, na quarta-feira, 8/4, por videoconferência, para discutir as medidas tomadas até agora pelo banco no combate à pandemia do novo coronavírus (Covid-19), assim como analisar as denúncias e as demandas de funcionárias e funcionários por todo o Brasil.

Depois das cobranças do Comando Nacional dos Bancários, o Itaú acatou implementar a suspensão das demissões até o final da pandemia, exceto em casos de justa causa e desvios éticos, a antecipação do 13º salário integral de todos os funcionários para abril, a implantação de trabalho remoto (home office), a redução no horário de atendimento das agências, que agora é de 10h às 14h, o contingenciamento no acesso de clientes e usuários ao interior das agências, com número máximo de pessoas dentro das unidades, campanhas de mídia para diminuir a procura pelo atendimento presencial, o rodízio de bancários nas agências, a compra de máscaras e álcool em gel para os funcionários, e o afastamento dos bancários que se encontram no grupo de risco para a Covid-19.

Os representantes dos trabalhadores decidiram pelo envio de um ofício ao Itaú para cobrar mais informações e novas medidas contra a Covid-19. “O Itaú precisa respeitar a vida de bancários e clientes neste grave momento de crise sanitária mundial. Um banco que lucra bilhões e bate recordes a cada ano tem que mostrar sua responsabilidade social diante da pandemia do coronavírus. Por isso, o Itaú precisa atender nossas reivindicações e negociar com os representantes dos trabalhadores o mais rápido possível”, afirmou Jair Alves, coordenador da COE Itaú.

Entre as principais demandas, estão informações sobre o número de agências fechadas por federação e qual é o critério adotado para o fechamento das unidades; informações sobre o número de pessoas em grupo de risco que foram afastadas e os que compõem o grupo de funcionários em férias; não colocar funcionários fora das agências para orientar filas; inclusão dos GGCs e Gos no rodízio de trabalho; inclusão das mães lactantes e que tenham filhos menores de 2 anos no grupo de risco.

A situação já foi debatida com a Federação Nacional dos Bancos (Fenaban), que acatou o pedido do Comando Nacional dos Bancários, mas o Itaú está descumprindo a orientação. A COE também vai denunciar problemas de gestão (GSOs e GRAs) e cobrar que o banco apresente a tabela de reajuste do plano de saúde em 2020 para aposentados.

O diretor do SindBancários e representante gaúcho na COE, Eduardo Munhoz, disse que a reunião foi produtiva. “reunimos informações sobre as medidas adotas e cruzamos com a realidade das agências. Há problemas de informação e urgência na implantação de medidas protetivas aos colegas que estão trabalhando no front”, salientou Eduardo.

Fonte: Contraf-CUT, com edição de Imprensa SindBancários

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

FACEBOOK

SERVIÇOS

CHARGES

VÍDEOS

O BANCÁRIO

TWITTER