Cassi Essencial: o barato que sai caro

Criado para ser uma alternativa mais barata ao plano Cassi Família, o recém-lançado Cassi Essencial tem se tornado motivo de preocupação para as entidades representativas dos funcionários do Banco do Brasil em todo o país.

Isso porque, além de ser voltado para parentes consanguíneos até 4º grau e os parentes afins até 2º grau de funcionários, também podem aderir ao plano funcionários oriundos dos bancos incorporados, aposentados, pensionistas e até mesmo funcionários atualmente cadastrados no Plano Associados, mediante cancelamento do mesmo. E o mais preocupante: já há funcionários da ativa cogitando cometer tal equívoco.

Por isso, o Sindicato alerta os funcionários sobre os riscos e desvantagens do Cassi Essencial em relação ao plano Associados. Além de contar com um valor de coparticipação mais alto e uma rede de credenciados menor, principalmente nos grandes centros, o Cassi Essencial ainda possui franquia para internação e, assim como qualquer plano de mercado, possui reajustes anuais, de acordo com a inflação médica, também de acordo com a faixa etária.

E o mais importante: o Cassi Essencial não conta com o patrocínio do BB, ao contrário do Plano Associados, que tem o Banco como patrocinador, inclusive na aposentadoria (para os funcionários admitidos até 2018).

O Sindicato alerta que, uma vez que o funcionário deixa o Plano Associados, não há possibilidade de reingresso. Ou seja, quem sai do Plano Associados não volta nunca mais.

“A Cassi, maior autogestão do país, existe há 77 anos graças ao seu sistema solidário, onde os mais jovens ajudam a custear os mais velhos e ao fato do Banco do Brasil, enquanto patrocinador, ser responsável por arcar com parte das despesas. Precisamos lutar para que esse sistema continue, se quisermos ter uma velhice tranquila”, destacou Luciana Bagno, integrante da Comissão de Empresa dos Funcionários do BB (CEBB).

Veja o quadro comparativo abaixo:

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

FACEBOOK

SERVIÇOS

CHARGES

VÍDEOS

O BANCÁRIO

TWITTER