Bradesco FC conquista título da Taça SindBancários de Futebol Sete com gol no último minuto de jogo

Se pudéssemos descrever em poucas palavras a vitória de 4 a 3 do Bradesco FC sobre o Santander FC na final da Taça SindBancários de Futebol Sete, no sábado, 12/12, nas quadras da Soccer City, em Porto Alegre, poderíamos dizer que se tratou de um jogo de xadrez decidido no último movimento possível das peças. Mas essa descrição não dá a dimensão do grande jogo que consagrou o Bradesco FC como campeão. Foi um jogaço. O mesmo se pode dizer da decisão de terceiro e quarto lugares. Nesse caso, o Bradesco Gravataí ficou com a terceira colocação ao vencer por 2 a 1 a equipe da Caixa PoA APCFRS.

O jogo de xadrez se desenhou a partir da decisão dos dois técnicos. Giovani Pereira, técnico campeão, sabia que precisava neutralizar dois jogadores fundamentais do Santander FC. Era preciso atenção especial a Victório Santi, o goleador do campeonato com 14 gols e referência técnica do Santander FC, e também evitar que o atacante Rafael Saraiva imprimisse sua velocidade e habilidade costumeiras ao ataque do Santander FC.

O técnico do Santander FC, Ronaldo Brum, logo percebeu a tática. Para escapar do cerco do adversário, Victório Santi começou jogando recuado. Sua primeira função na partida foi jogar à frente do zagueiro Marcelo. Com a bola dominada e vindo de trás, ele poderia enfrentar a dribles os atacantes do Bradesco FC e, quem sabe, armar jogadas para servir os atacantes do seu time.

Mas o Bradesco FC conseguia neutralizar os avanços pelo meio ou dificultava que a bola chegasse. Os atacantes, ajudados pelos meias, impediam a progressão da referência técnica. Mais ao fundo, a linha de defesa do Bradesco FC não deixava Rafael Saraiva pegar a bola sem que um ou dois adversários aparecessem para bloqueá-lo. Era vigiado de perto. E o jogo começou muito equilibrado.

Até que aos seis minutos, o volante Alex, do Bradesco FC, avançou pelo meio da defesa e só foi parado com falta. O canhoto Gregório Arnecke tomou distância para bater na bola colocada na meia direita da intermediária. A corrida para a bola denunciava que o chute sairia direto, mas não. Gregório rolou a bola até um atacante na frente da área adversária e correu na direção do companheiro. De primeira, a bola foi tocada de volta para ele e caiu de jeito do pé esquerdo de Gregório. O chute saiu forte, rasteiro e sem defesa para o goleiro Lucas. Estava aberto o placar da final.

Veja galeria de imagens dos jogos finais e da premiação.

O bloqueio do Bradesco FC continuava. Mas a gana de empatar o jogo, levou os colegas do Santander FC para a frente. Se Victório continuava vigiado de perto e Rafael Saraiva também, o melhor jeito era ficar com a bola, abrir espaços com deslocamento e aproveitar as brechas. E mesmo com a marcação cerrada, os dois jogadores conseguiam se deslocar, atrair os marcadores e abriam espaços com toques rápidos para a chegada de companheiros.

O jeito então era abrir espaços em jogadas individuais. E foi o que aconteceu aos 12 minutos. O zagueiro Rafael (xará do atacante Saraiva) recebeu na intermediária de seu campo pela esquerda, aproveitou o espaço na lateral e avançou. Da intermediária do campo adversário, ele mandou uma bomba no ângulo de Mauricius, sem defesa. O jogo estava empatado pela primeira vez.

Aliás, é preciso abrir e fechar parênteses e colocar a atuação do goleiro Mauricius, do Bradesco FC, em destaque. No primeiro tempo, ele fez uma defesa acrobática, espalmando para escanteio um chute à queima-roupa de atacante do Santander FC. E não foi só essa defesa. As suas defesas em todo o jogo tornaram Mauricius um dos responsáveis diretos pela conquista. O goleiro do Bradesco FC frustrou os atacantes do Santander FC ao pegar quase tudo.

Voltando ao jogo, o empate não abalou o Bradesco FC. O time manteve a tática de vigiar de perto os destaques do time dos colegas adversários. Fechava os espaços, ficava com a bola e procurava marcar por pressão a saída de bola do Santander. Aos 15 minutos de jogo, três depois do empate do Santander, a estrela do atacante Fernando começou a brilhar. Depois de uma rápida troca de passes, a bola encontrou Fernando aberto na direita quase sem ângulo. Ele dominou e bateu forte. A bola entrou entre o goleiro Lucas e trave no cantinho direito. E os cinco minutos finais do primeiro tempo foram corridos: pressão do Santander FC para empatar, frente à técnica e o toque de bola do Bradesco FC. Defesas de Mauricius.

Cresce a vantagem e chega o segundo empate

Se a referência técnica do Santander FC continuava vigiada, a contratática era a movimentação. Para escapar da marcação, Victório Santi passou a aparecer por todos os lugares da cancha. Abria pela direita, avançava pela esquerda, entrava em diagonal mas a bola não chegava com a frequência necessária. O Bradesco FC apostou na intensidade e nas inúmeras trocas. Era preciso manter o nível de concentração, a força na marcação e continuar marcando em cima.

Até que aos cinco minutos da etapa final, a técnica e o conjunto do Bradesco FC afloraram mais uma vez. Gregório Arneck ampliou a vantagem do Bradesco FC para 3 a 1 após pressão sobre a zaga do Santander FC. Gerson roubou a bola na intermediária e tocou para Gregório que entrava pela esquerda. Ele ainda teve tempo de avançar e desferir um petardo no canto do goleiro Rodrigo Miguel.

Festa, corrida e uma vantagem invejável numa final tão pegada e equilibrada. Ao final do jogo, Gregório, com o segundo gol que marcou, brincou com sua situação de goleador. Chegara a 12 e ficaria como vice-artilheiro pelo terceiro ano consecutivo, numa espécie de tri-vice-artilheiro.

Brilha a individualidade do goleador

De fato, o conjunto do Bradesco FC, a habilidade dos seus jogadores, a técnica, o toque de bola, a experiência, o conjunto, a marcação, e as defesas decisivas do goleiro Mauricius deram garantido vantagem importante. Estar vencendo por 3 a 1 numa final de campeonato é botar a mão na taça. Mas foi então que a individualidade do artilheiro da competição apareceu para tornar ainda mais emocionante a decisão.

Em quatro minutos em duas jogadas individuais, Victório Santi levou o placar para 3 a 3. Aos 10 minutos da segunda etapa, o jogo chegara àquele momento em que o time com vantagem naturalmente cede espaço àquele que está perdendo e procura definir a parada com uma escapada de contra-ataque. Fecha-se e tenta matar o jogo. O Bradesco FC cedeu espaço. Os quatro minutos seguintes mostraram que não se pode dar a bola para um time de grande qualidade.

Então, Victório Santi recebeu a bola no meio, de costas para o gol. Em um giro rápido e de alta qualidade, ele se livrou da marcação, avançou e bateu na direção do gol. A bola desviou na zaga do Bradesco FC e enganou o goleiro Mauricius. O jogo chegava a um emocionante 3 a 2, placar clássico.

A história se repetiria quatro minutos mais tarde. Posicionado aberto pela direita no fundo da quadra adversária, Victório Santi recebeu lançamento do goleiro Rodrigo Miguel. A bola viajou a quadra toda e foi parar no peito do atacante. Do peito, caiu para o pé esquerdo, de onde saiu um chute cruzado e sem defesa. Era o empate em 3 a 3.

Gol do título após cobrança de falta

O jogo então virou um lá e cá. Os jogadores usavam o último fôlego para correr atrás dos adversários, lutar pela bola e, se possível, conseguir levá-la o mais perto possível do gol adversário. A um minuto do fim, o Bradesco FC avançou pela direita. Troca de passes e deslocamentos deixaram a bola na entrada da área com o canhoto e habilidoso Maicon. Antes de concluir, ele foi derrubado.

O próprio Maicon ajeitou a bola para a cobrança na entrada da área pelo lado esquerdo. Mirou o gol adversário. No centro da meta, Rodrigo Miguel arrumava a barreira. Como no primeiro gol, o Bradesco FC poderia fazer uma jogada ensaiada. O árbitro autorizou a cobrança. Maicon correu para a bola e bateu mascado. A bola passou pela barreira e ia se oferecer para o goleiro Rodrigo. Atento, Fernando acompanhara a trajetória da bola e conseguiu desviar do goleiro. Faltava um minuto de jogo.

O tempo acabara assim como o campeonato. A intensidade, a marcação e o jogo de xadrez haviam terminado. No finzinho, o Bradesco FC deu o xeque-mate no brio e na força do Santander FC. A grande final, uma das mais disputadas e emocionantes da história dos campeonatos organizados pelo SindBancários, ficara mais uma vez com a competência técnica e tática dos colegas do Bradesco FC. Valeu o título, valeu a comemoração de um time que chegou à sua quinta conquista. Os colegas do Bradesco FC deram uma lição de coesão de grupo e humildade.

A força da resistência conquista o terceiro lugar

Em 2012, no campeonato de Futsal do SindBancários, os colegas do Bradesco Gravataí chegaram à final e conquistaram o título. Eles costumam dizer que a maior virtude do time é não desistir nunca. De fato, o jogo forte na defesa, com escapadas rápidas ao ataque, é uma característica fundamental, tendo na figura do meia-atacante Rafael Eltz, a referência técnica do time. A resiliência do Bradesco Gravataí foi posta à prova no confronto com a Caixa PoA na decisão de terceiro lugar. E quer mais resiliência do que sair atrás do marcador e conseguir a virada?

A Caixa PoA começou a decisão com domínio territorial do jogo. O jogo de toque de bola rápido e de deslocamentos no ataque confundiu a marcação do Bradesco Gravataí. O canhoto Diego Feron era o motor do time. Distribuía o jogo, dava velocidade às investidas da Caixa PoA. Foi dele, aliás, o primeiro gol da partida. Gol clássico. A bola saiu da defesa da Caixa PoA e passou pelo meio de campo até chegar a Diego Feron. Ele entrava em velocidade pela esquerda. Dominou, adiantou e bateu forte e cruzado no canto.

O Bradesco Gravataí reagiu logo em seguida. Cinco minutos depois, aos nove minutos, Rafael Eltz empatou em cobrança de falta. A bola desviou na barreira antes de entrar. O jogo seguiu pegado até o final do primeiro tempo. A Caixa trocava passes, tentava furar o forte bloqueio do Bradesco Gravataí. Os colegas do Bradesco procuravam ir à frente. O primeiro tempo terminaria empatado em 1 a 1.

A segunda etapa começou intensa. Os dois times lutavam pela posse de bola e tentavam chegar ao gol adversário em rápidas investidas. Até que aos 10 minutos, o Bradesco Gravataí roubou bola na saída de jogo da Caixa PoA. O passe encontrou Rafael Eltz pela meia-direita do time adversário. A jogada até o chute ao gol foi linda. Rafael Eltz ganhou velocidade, livrou-se do adversário com uma pedalada desconcertante e concluiu para as redes sem defesa para o goleiro.

A Caixa PoA então foi à frente. Pressionou, correu riscos e teve chances de levar o jogo para o shootout, decisão semelhante a pênaltis em que o cobrador carrega a bola a partir de uma linha na intermediária e conclui na saída do goleiro. Mas, no final, a força da resiliência e a característica de nunca se entregar do Bradesco Gravataí levou a melhor.

Tem narrador nas finais

O presidente do SindBancários, Everton Gimenis, agradeceu a participação de todos os colegas no campeonato, exaltou a qualidade técnica, lembrou que todos são trabalhadores e da importância do futebol para os bancários. Também falou de uma novidade desta final. O jornalista, narrador da Rádio Gaúcha e do SporTV, Fernando Zanuzo, participou da final. Por certo, ele não entrou em campo mas será como se estivesse jogado junto. Zanuzo botou emoção na narração dos dois jogos. Seu trabalho fará parte de DVD da final que está sendo preparado pela equipe de comunicação do SindBancários.

“Este ano, além desse campeonato que se encerra agora com esta premiação, tivemos o torneio de Master. Os dois campeonatos foram marcados pela participação e pela alta qualidade técnica. Os bancários sofrem muito no dia a dia de trabalho nos bancos. É pressão para atingir metas e muita intensidade. Por isso o futebol é importante. Ajuda a desestressar e também nos deixa mais unidos para lutar por melhores condições de trabalho”, disse Gimenis.

Premiacao_Cred_JacksonZanini50

O diretor de Cultura, Esporte e Lazer, Tiago Vasconcellos, agradeceu a participação dos 12 times da Taça S8indBancários de Futebol Sete 2015 e dos outros quatro da Copa Master. Foram mais de 60 jogos com envolvimento de mais de 100 jogadores. “A taça que foi entregue ao Bradesco FC entrará num rodízio de campeões. O time que vencer três campeonatos consecutivos ou cinco alternados a partir de agora ficará com a taça em definitivo”, explicou Tiago.

Os destaques

Campeão: Bradesco FC

BradescoFC_x_SantanderFC_Cred_JacksonZanini246

Vice-campeão: Santander FC

3º lugar: Bradesco Gravataí

4º lugar: Caixa POA

Goleador: Victório Santi (14 gols)

Troféu fair play: Caixa PoA

BradescoGra_x_Caixa_Cred_JacksonZanini01

Melhores goleiros: Lucas Fernandes e Rodrigo Miguel (Santander FC teve a defesa menos vazada do campeonato) e Mauricius Munhoz  e Thiago Freitas (Bradesco FC)

Atenção para retificação:  Por um erro de anotação no jogo da Semifinal entre Bradesco FC e Bradesco Gravataí, foi computado um gol a mais contra o Bradesco FC. Corrigido o erro, informamos que houve empate no prêmio de Melhor Goleiro. Sendo assim, os goleiros Mauricius Munhoz e Thiago Freitas, do Bradesco FC, empataram em gols sofridos com os goleiros do Santander FC. Cada time sofreu 12 gols na competição.

Os gols da final – Bradesco FC 4 a 3 Santander FC

Primeiro tempo

Bradesco FC 1 a 0 Santander FC

Em cobrança de falta ensaiada, Gregório Arnecke abre o placar aos 6 minutos de jogo. Gregório correu para a bola, simulando que bateria direto, empurrou para atacante na frente da área que devolveu de primeira. O chute de Gregório saiu forte, rasteiro e sem defesa para o goleiro.

Bradesco FC 1 a 1 Santander FC

O empate do Santander veio com um belo gol de longe aos 12 minutos. Rafael recebeu pela esquerda ainda em seu campo. Adiantou, ganhou o campo adversário e desferiu um chute da intermediária, no ângulo, sem chances para o goleiro.

Bradesco FC 2 a 1 Santander FC

Aos 15 minutos, o atacante Fernando deixou o Bradesco FC de novo em vantagem no placar. Ele recebeu a bola pela direita e bateu forte no canto do goleiro.

Segundo tempo

Bradesco FC 3 a 1 Santander FC

Aos 5 minutos, Gerson roubou a bola da defesa do Santander FC, avançou e tocou para Gregório Arnecke na esquerda. O meia avançou e desferiu um chute forte e cruzado rasteiro. A bola entrou no cantinho do goleiro.

Bradesco 3 a 2 Santander FC

A reação do Santander começou com uma bela jogada individual de Victório Santi aos 10 minutos. Ele recebeu a bola na linha intermediária, se livrou da marcação com um drible desconcertante, avançou pelo meio e bateu forte. A bola desviou na defesa do Bradesco FC e enganou o goleiro.

Bradesco FC 3 a 3 Santander FC

Aos 14 minutos, Victório Santi empata o jogo para o Santander FC. A bola foi lançada pelo goleiro Rodrigo Miguel, atravessou a cancha e caiu no peito de Victório que estava aberto no lado direito de ataque do Santander FC. Após dominar com categoria, ele se livrou do marcador e bateu de esquerda, cruzado, no canto de Maurícius.

Bradesco FC 4 a 3 Santander FC

Aos 19 minutos do segundo tempo, o Bradesco FC consegue uma falta na entrada da área. Maicon cobrou rasteiro, forte, e o atacante Fernando desviou do goleiro. Era o gol do título.

Gols da Decisão de 3º e 4º lugares

Bradesco Gravataí 0 a 1 Caixa PoA

Aos 4 minutos de jogo, Diego Feron recebeu um passe longo da direita. Dominou pela meia esquerda, avançou e bateu forte e cruzado no canto.

Bradesco Gravataí 1 a 1 Caixa PoA

Em cobrança de falta ais 9 minutos, Rafael Eldt bateu forte. A bola desviou na barreira e enganou o goleiro da Caixa PoA.

2º tempo

Bradesco Gravataí 2 a 1 Caixa PoA

Em grande jogada individual aos 10 minutos, Rafael Eldt garantiu a terceira colocação para os colegas do Bradesco Gravataí. Ele recebeu a bola pela direita, adiantou, pedalou na frente do adversário e desferiu um chute forte de esquerda no canto.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

FACEBOOK

SERVIÇOS

CHARGES

VÍDEOS

O BANCÁRIO

TWITTER

Luciano Fetzner Barcellos
(Banrisul)
PRESIDENTE

Tags

Filiado à Fetrafi/RS, Contraf/CUT e CUT
Rua General Câmara, 424-Centro / CEP:90010-230 /
Fone: 51-34331200

Porto Alegre / Rio Grande do Sul / Brasil

Categorias

Categorias

Categorias