BB extingue cargos e reduz gratificações interferindo no cálculo da PLR

Bancários realizaram na quinta-feira, 06/02, Dia Nacional de Lutas contra medidas. Porto Alegre também participa no dia 12

Bancários realizaram na última quinta-feira, 06/02, um Dia Nacional de Luta contra as mudanças anunciadas pelo Banco do Brasil, que afetam o plano de carreiras e salários dos funcionários. Entre outras alterações, as mudanças reduzem em até 15% o valor de referência (VR) das gratificações recebidas pelos funcionários, extingue cargos e cria outros.
“Levamos esclarecimentos para os funcionários e para os clientes sobre o engodo do governo e da direção do banco, que vende algo prejudicial como sendo bom. Também mobilizamos os trabalhadores para as atividades da próxima quarta-feira, 12, quando vamos nos aprofundar no debate e dar exemplos das perdas com as mudanças que estão sendo realizadas”, disse o coordenador da Comissão de Empresa dos Funcionários do Banco do Brasil (CEBB), João Fukunaga.

“Os funcionários aderiram às atividades e, vestidos de preto, mostraram sua indignação com as mudanças que estão sendo colocadas em prática sem qualquer negociação prévia com a representação dos trabalhadores”, completou o representante dos funcionários. Muitos bancários também mudaram suas imagens no “Humanograma” do banco, que é a ficha cadastral onde constam todas as informações da carreira interna. Ao invés da foto, colocaram uma imagem preta.

Luta prossegue
Na quarta-feira da próxima semana, 12/02, os funcionários vão repetir a dose. Vão realizar mais um Dia Nacional de Luta contra as mudanças impostas pelo banco. Para contribuir com o entendimento, a Contraf-CUT vai produzir uma edição especial do boletim Espelho para ser distribuído aos funcionários nas atividades do dia 12, explicando as perdas na remuneração mensal, na Participação nos Lucros ou Resultados (PLR) e as mudanças na Gestão de Desempenho Profissional (GDP).

Engodo

O banco alega que as mudanças potencializarão os ganhos dos funcionários, com foco no reconhecimento a partir de seus desempenhos. “Se fosse verdade que todos os funcionários sairiam ganhando, seria a primeira vez na história que uma empresa que quer reduzir custos com o pessoal buscaria promover tal redução aumentando a remuneração de seus funcionários”, ironizou Fukunaga.

“Basta analisar as medidas da atual gestão para vermos que essa não é a verdade. O que a medida quer promover é a redução dos salários dos funcionários. Pelas falas do presidente do Banco do Brasil, a impressão que se tem é que os únicos que terão aumentos serão os altos executivos do banco, que são cargos de confiança nomeados pelo governo e foram indicados pelo mercado financeiro”, afirmou o representante dos bancários do Banco do Brasil.

Perdas na PLR

Para o coordenador da CEBB, as mudanças também podem levar à redução da Participação nos Lucros ou Resultados (PLR) paga aos funcionários. “A PLR é paga com base no valor de referência (VR) da gratificação paga aos funcionários. As mudanças anunciadas pelo banco reduzem o VR e, com isso, a PLR também pode ser reduzida”, explicou o representante dos funcionários.

Além de mostrarem sua indignação vestindo roupas pretas, os funcionários protestaram nas redes sociais com fotos das manifestações e a hashtag #deformaBB, em alusão o nome do projeto de mudanças, chamado pelo banco de “Performa”.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

FACEBOOK

SERVIÇOS

CHARGES

VÍDEOS

O BANCÁRIO

TWITTER