Bancários fortalecem apoio ao BRDE e Badesul no 25º dia de greve nacional

Banco voltado basicamente ao fomento dos estados do Sul, o BRDE é constituído por um total de 519 funcionários, distribuídos nas agências de Porto Alegre (onde também está a Direção Geral atual), Curitiba e Florianópolis. “Também somos bancários e estamos submetidos ao arrocho salarial, como todo o restante da categoria”, disse André Santana, funcionário do banco na capital gaúcha e delegado sindical. Ele, outros colegas do banco, sindicalistas e apoiadores fizeram uma manifestação pela Greve dos Bancários, que nesta sexta-feira chega ao seu 25º dia em todo o país.

“Aqui em Porto Alegre somos 240 bancários do BRDE, quase a metade do quadro geral”, lembrou André. “Embora seja estatal, o BRDE sempre adere ao acordo dos trabalhadores com a Fenaban nas cláusulas econômicas. Mas neste clima de golpe que vivemos, cria-se um ambiente de perdas para os trabalhadores”, afirma o delegado sindical. “Temos que resistir e pressionar para que os banqueiros avancem na sua contraproposta”, diz ele, lembrando que os trabalhadores do BRDE têm também questões específicas.

Reivindicações próprias

300916webseeb-3231

“Lutamos pela criação de um plano de cargos e salários”, informa André, “pois atualmente temos apenas tabela de níveis”, acrescenta.  Os bancários do BRDE também querem plano de saúde aos funcionários do RPII (um dos dois quadros de pessoal); licença remunerada de até 15 dias ao ano para acompanhamento de familiar em tratamento de saúde; aumento do limite de contribuição paritária do banco ao Isbre (previdência complementar dos funcionários); eleição direta de um dos diretores do Isbre; e eleição direta de funcionário para integrar grupo que visa adequar o BRDE às novas práticas de gestão.

Ottoniel Rocha Jr., também funcionário do BRDE e membro da direção da Fetrafi-RS, destaca que todas as grandes empresas públicas e bancos estatais hoje correm o risco, sob o governo golpista e neoliberal de Michel Temer. “É fundamental resistir e criarmos uma corrente de solidariedade entre os trabalhadores”, concluiu.

Badesul continua forte

300916webseeb-3215

Após o ato em frente ao BRDE, os manifestantes, bancários e sindicalistas compareceram ao ato de apoio ao Badesul, em frente à sede do Banco, na Rua Andrade Neves, onde um almoço coletivo fortaleceu a ação sindical. “Este banco voltado ao desenvolvimento do Rio Grande do Sul, com um papel histórico, hoje também está sendo esvaziado pelo governo de Sartori e sofre ataques através da imprensa”, diz o presidente do SindBancários, Everton Gimenis.

“Como qualquer banco público ou privado que abre linhas de crédito, o Badesul está sujeito a buscar recuperação de valores. Isso acontece com grandes bancos privados, com grandes bancos públicos. É estranho que, nas vésperas de eleição municipal, comecem a aparecer notícias de que o Badesul está com problemas, quando nós sabemos que isso não procede”, avaliou Gimenis.

Um documento elaborado pelos trabalhadores do Badesul, lembra que o banco não está falido, é autossustentável, traz benefícios ao estado e tem um patrimônio de R$ 724 milhões, triplicado nos últimos em 14 anos.

Fotos: Anselmo Cunha

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

FACEBOOK

SERVIÇOS

CHARGES

VÍDEOS

O BANCÁRIO

TWITTER