Bancários de SP querem emprego e aumento real de 5%; Conferência Nacional no fim do mês define pauta unificada

Os bancários do estado de São Paulodefiniram suas prioridades para a Campanha Nacional Unificada 2016, durante a conferência estadual, realizada no último sábado, 16/07, que votou a pauta de reivindicações que será levada ao debate na Conferência Nacional, a ser realizada entre os dias 29 e 31 de julho, em São Paulo. A pauta final será entregue à Federação dos Bancos (Fenaban) no mês de agosto. A data base da categoria é 1º de setembro.

Prioridades

Entre as prioridades apontadas pela categoria no estado estão o índice de 14,5% (reajuste com inflação estimada mais aumento real de 5%), combate ao assédio moral, fim das metas abusivas, mais empregos e fim das demissões nos bancos. Também definiram o piso com base no salário mínimo do Dieese (R$ 3.940,24) e a PLR de três salários mais R$ 8.297,61 de parcela fixa adicional. E décimo quarto salário. Foi incluída uma cláusula para garantir melhores condições de trabalho nas agências digitais, incluindo garantias em termos de emprego e jornada; fim da sobrecarga de trabalho e maior remuneração.

Na conferência estadual, participaram delegados eleitos em assembleias realizadas pelos sindicatos e nas conferências regionais preparatórias.

“Os bancários estão mobilizados para uma campanha forte e vamos nos unir com trabalhadores de outras categorias que fazem campanha no segundo semestre. Temos de estar preparados até para uma greve geral contra a retirada de direitos e a precarização do trabalho”, disse Juvândia Moreira, presidenta do Sindicato. “Somos milhões em todo o Brasil e haverá uma grande mobilização caso avancem contra conquistas históricas dos trabalhadores”, afirmou a colega.

Consulta

Durante a conferência foram apresentados os resultados das consultas realizadas nos sindicatos filiados à Fetec/CUT-SP (Federação dos bancários da CUT). A pesquisa foi feita por 13 sindicatos, com 19.799 questionários.

Somente na base do Sindicato a consulta foi respondida por 14.286 trabalhadores. Nas cláusulas econômicas, as maiores reivindicações foram por aumento real (81% das respostas), PLR maior (88%), fim das demissões, com mais contratações (73%) e melhores condições de trabalho sem assédio moral ou metas abusivas (60%).

A categoria também defende os bancos públicos (87%), se coloca contra a terceirização ilimitada (90%), o aumento do tempo para se aposentar e mudanças que ameacem férias, jornada extra e 13º salário (73%).

Lucro dos bancos

O lucro líquido dos cinco maiores bancos atuantes no Brasil (Banco do Brasil, Caixa Federal, Bradesco, Itaú e Santander), nos três primeiros meses do ano, atingiu a marca de R$ 13,131 bilhões. Dos 25 setores com empresas de capital aberto avaliados pela Consultoria Economática, o bancário foi o de maior lucratividade no período. As receitas com prestação de serviços e tarifas bancárias cresceram 6,2%, atingindo R$ 26,582 bilhões.

Fonte: Imprensa SindBancários com Seeb SP

 

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

FACEBOOK

SERVIÇOS

CHARGES

VÍDEOS

O BANCÁRIO

TWITTER