Após sete explosões para levar cofre de agência em Amaral Ferrador, 2018 tem 25% a mais ataques do que 2017

Se fôssemos contabilizar no levantamento dos ataques a agências bancárias realizado pelo SindBancários o número de explosões que se ouviu nesta madrugada em Amaral Ferrador, dificilmente deixaríamos de apontar um terrível recorde. Foram sete explosões que rasgaram a madrugada dessa cidade na Região Sul do Estado até que os criminosos conseguissem abrir o cofre e fugir com dinheiro da agência do Banrisul. Os dados colhidos pelo SindBancários, no entanto, expõem uma epidemia de ataques a agências bancárias em todo o Rio Grande do Sul até as 10h da manhã da sexta-feira, 9/3, desde o início do ano. Foram 40 ataques a bancos desde 1º de janeiro ou num espaço de 68 dias.

Infelizmente a tendência dos últimos 12 anos – o SindBancários realiza acompanhamento e levantamento de dados desde maio de 2006 – indica que esses surtos estão associados a emprego de explosivos e mais recentemente de sitiamento de uma cidade inteira nas madrugadas dos fins de semana. Por isso podemos dizer que a estatística tende a recrudescer os ataques até a próxima segunda-feira, 12/3. O volume desde janeiro deste ano já é 25% maior do que o mesmo período de 2017. Quer dizer, se até 9 de março de 2017 tivemos um ataque a agência bancárias a cada 51 horas (2 dias e 3 horas), no mesmo período do presente ano, temos um ataque a cada 40 horas (1 dia e 16 horas).

O mais triste ainda é comparar apenas os primeiros dias dos dois marços, o de 2017 e o de 2018. Então, podemos estimar que há uma tendência de crescimento das ações que visam combinar ataques. Assalto, sitiamento de cidades do interior com uso de explosivos não param de crescer (veja tabela abaixo). Nos primeiros nove dias de março de 2018, foram registrados 12 ataques a agências bancárias em todo o RS. Nos primeiros nove dias de março de 2017, ocorreram sete (7). A violência bancária cresceu 71,4% de um março para outro.

Isso quer dizer que março de 2018 teve um ataque a agência bancária a cada 18 horas, enquanto que, nos nove primeiros dias de março de 2017, houve um ataque a cada 31 horas (1 dia e 7 horas). “Estamos diante de mais uma epidemia de ataques a agências bancárias. É lamentável que criminosos realizem sete explosões até conseguirem chegar a um cofre em uma cidade com pouco mais de 6 mil habitantes sem serem importunados por nenhuma força de segurança pública. Há muito tempo chamamos a atenção para a tragédia anunciada que isso representa. As agências bancárias ficam no Centro das cidades, onde há concentração de muitos moradores. Isso é resultado de três anos de política de ajuste fiscal do governo do Estado. Cortar dinheiro de segurança pública, de educação e sucatear o patrimônio público dá em fracasso e medo”, expõe o presidente do SindBancários, Everton Gimenis.

Explosões

Mesmo que a metodologia de contagem de ataques a agências bancárias do SindBancários não leve o número de explosões nas agências em consideração, mas os alvos (no caso as agências bancárias), o volume de uso de explosivos, com o perdão das repetições, explodiu neste ano. São 22 ações registradas de 1º de janeiro a 9 de março contra oito do mesmo período do ano passado, um crescimento de 275%.

Ataques a agências bancárias chegam a 40 em 2018

De 1º de janeiro a até 9/3 de 2018: 40 ataques a agências bancárias em todo o Estado. De 1º de janeiro a até 9/3 de 2017: 32 ataques a agências bancárias no RS. Crescimento de 25% de um ano para outro no mesmo período.

De 1º de janeiro até 9/3 de 2018: 40 ataques a agências bancárias em 68 dias, 1 ataques banco a cada 40 horas (1 dia e 16 horas). De 1º de janeiro até 9/3 de 2017: 32 ataques a bancos, 1 ataque a cada 51 horas (2 dias e 3 horas).

Nos primeiros 9 dias de março de 2018: 12 ataques a bancos no RS, um ataque a cada 18 horas. Nos primeiros 9 dias de março de 2017: 7 ataques a bancos, um a cada 31 horas (1 dia e sete horas). Tivemos um crescimento para os primeiros nove dias de março de um ano para outro de 71,4%.

Dados apurados até as 10h desta sexta-feira, 9/3.

Relação de ataques a bancos no Rio Grande do Sul

Março 2018

1. Dia 01: Banrisul (São José do Hortêncio). Criminosos usaram dinamite para invadir agência pela porta da frente. Segunda dinamite não explodiu em caixa eletrônico, e quadrilha fugiu sem levar nada.

2. Dia 01: Banrisul (Porto Alegre). Quatro criminosos atacam a agência Vila Nova. Três deles invadem, armados de revólveres, rendem os vigias e levam dinheiro dos caixas.

3. Dia 02: Banrisul (Piratini). Grupo fortemente armado, dispara tiros de fuzil de madrugada, mantém comerciante refém e explode dois caixas eletrônicos para levar dinheiro.

4. Dia 02: Banco do Brasil (Três Palmeiras). Assalto com criminosos formando cordão humano e incendiando carros para a fuga.

5. Dia 02: Banrisul (Braga). Criminosos invadiram agência, renderam bancários e fugiram com dinheiro dos caixas.

6. Dia 03: Banco do Brasil (Taquari). Criminosos explodiram agência do Banco do Brasil, fizeram escudo humano com moradores e fugiram com reféns.

7. Fim de semana: Banco do Brasil (Guaíba). Criminosos arrombam cofre de agência com serra industrial e levam dinheiro. Furto só foi percebido na manhã da segunda-feira, 5/3.

8. Dia 06: Banco do Brasil (Santa Clara do Sul). Criminosos sequestram ônibus com trabalhadores para servir de escudo humano e explode caixas eletrônicos para fugir com dinheiro.

9. Dia 07: Banrisul (Porto Alegre). Seis criminosos invadem a agência Menino Deus por volta das 17h, leva armas de vigilantes e foge com dinheiro.

10 e 11. Dia 07: Dicresilo e Banco do Brasil (Mata). Armados com fuzis e revólveres, 10 criminosos arrombaram

as duas agências, mas não coim seguiram levar dinheiro de caixas eletrônicas. Assaltaram também joalheria e lotérica.

12. Dia 09: Banrisul (Amaral Ferrador). Criminosos arrombam agência e usam explosivos para levar dinheiro do cofre. Foram ouvidas sete explosões na madrugada.

Fevereiro 2018

1, 2 e 3. Dia 01: Banco do Brasil, Banrisul e Dicresilo (Mata). Bando atacou com explosivos o Banco do Brasil e o Banrisul, e levou uma quantia em dinheiro não especificada. A agência do Dicresilo também teve o vidro quebrado, mas os criminosos não levaram nada. Fuga, miguelitos na pista e escapada. Novo Cangaço.

4. Dia 02: Banrisul (Barra Funda). Antes de explodir caixas eletrônicos, criminosos realizaram disparos para amedrontar moradores da cidade.

5. Dia 02: Banrisul (São Martinho). Criminosos arrombaram agência a machado, danificam caixas eletrônicos, mas não conseguem abrir o cofre. Fogem sem levar nada.

6. Dia 02: Dicresilo (Quatro Irmãos). Tentativa de assalto. Quadrilha troca tiros com a BM e foge.

7. Dia 05: Itaú (Novo Hamburgo). Criminosos fazem buraco na parde de agências e não levam nada.

8. Dia 11: Banrisul (Portão). Criminosos arrombam caixa eletrônico com maçarico e levam dinheiro.

9. Dia 21: Banco do Brasil (Pouso Novo). Alarme soa com entrada de criminosos na agência e fristra ataque a caixas eletrônicos.

10. Dia 23: Banrisul (Araricá). Crimninosos atacam agência e são presos durante fuga pela BM.

11. Dia 23: Dicresilo (Porto Alegre). Criminosos atacam agência no Centro (Alberto Bins), rendem vigilantes e levam dinheiro dos caixas.

12. Dia 23: Banco do Brasil (Bom Princípio). Tentativa de furto em que criminosos usam maçaricos para abrir caixas eletrônicos e não levam nada.

13. Dia 27: Banrisul (Imbé). Alarme dispara em caixa eletrônico que fica em um local junto a supermercado e afugente criminosos que tentaram arrombamento com maçarico. Eles fogem sem levar nada.

Janeiro 2018

1. Dia 01: Banco do Brasil (PoA). Posto do BB no bairro Jardim Botânico foi arrombado na virada do ano. Foi sexto ataque em menos de três meses.

2. Dia 04: Bradesco (PoA). Agência Partenon do Bradesco foi arrombada na madrugada. Sindicato interditou até consertos de portas. Criminoso levou uma CPU da agência.

3, 4 e 5. Dia 06: BB, Banrisul e Caixa (Butiá). Dez homens encapuzados pararam Centro da cidade. 2 pessoas feridas a bala. Explosões nos três bancos – Novo Cangaço.

6. Dia 07: Dicresilo (Horizontina). Tentativa de arrombamento da agência.

7. Dia 09: Banrisul (Mariana Pimentel). Criminosos explodiram caixas da agência na madrugada. Troca de tiros com polícia.

8 e 9. Dia 11: Dicresilo e Banrisul (Sede Nova). Três criminosos explodiram as duas agências próximas, na madrugada, não conseguiram acessar o dinheiro dos caixas e fugiram.

10. Dia 14: Banrisul (Viamão). Criminosos invadiram posto de combustível na madrugada e arrombaram terminal do banco. Fizeram reféns e terminaram fugindo com o dinheiro.

11. Dia 18: Banrisul (Taquari). Criminosos usam explosivo para arrombar e levar dinheiro de caixa eletrônico em centro comercial.

12. Dia 19: Dicresilo (Quevedo). Arrombamento de caixa eletrônico com pé de cabra.

13. Dia 31: Dicresilo (Canudos do Vale). Na madrugada, criminosos invadiram agência por uma janela lateral mas fugiram sem levar nada.

14. Dia 31: Banrisul (São Jorge). Na madrugada, ladrões explodiram caixas da agência mas não acessaram o dinheiro.

15. Dia 31: Banrisul (Lindolfo Collor). Grupo de criminosos atacou agência na madrugada, explodiu caixas, fez reféns e fugiu com o dinheiro.

Fonte: Imprensa SindBancários

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

FACEBOOK

SERVIÇOS

CHARGES

VÍDEOS

O BANCÁRIO

TWITTER