Após cobrança de sindicatos, BB deixa de exigir visitas presenciais de gerentes PJ

Gerentes foram informados que poderão, agora, priorizar reuniões com os clientes via videoconferência

Após cobrança da Comissão de Empresa dos Funcionários do Banco do Brasil (CEBB) de que, mesmo diante do aumento exponencial de contaminação por Covid-19 e por Influenza entre os funcionários, o Banco do Brasil mantinha a exigência para que seus gerentes PJ fizessem visitas presencias para atingir as metas, o BB retirou a obrigatoriedade da visita presencial. Ou seja, os gerentes agora podem priorizar as reuniões com os clientes via videoconferência.

“Esse novo posicionamento é importante, porque o banco toma uma direção que protege tanto a vida dos trabalhadores quanto a dos clientes”, avalia Luciana Bagno, representante da Federação dos Trabalhadores do Ramo Financeiro de Minas Gerais (Fetrafi/MG). “O movimento sindical continuará atento ao cumprimento dessas medidas pelos regionais e gerentes das unidades”, completa.

“Hoje o banco enviou e-mail para os gerentes das especializadas PJ, comunicando a flexibilização da regra de visitas, voltando a aceitar videochamadas e contato telefônico, como era até ano passado”, confirmou um trabalhador do BB.

Sindicatos cobram teletrabalho

Na última quarta-feira (12), o portal da Contraf-CUT divulgou uma matéria trazendo denúncias de gerentes PJ que estavam sendo pressionados para encontrar presencialmente os clientes. As autoridades de saúde afirmam que a variante Ômicron, da Covid-19, e a variante H3N2, da Influenza, fizeram explodir o número de casos das respectivas doenças no país, desde o início de 2022 em uma velocidade jamais vista antes.

Em entrevista ao jornal O Globo, concedida também no dia 12, a intensivista e cardiologista Ludhmila Hajjar disse que os sistemas de saúde no país correm o risco de entrar em colapso em apenas uma semana, pelo aumento de infectados.

Para José Eduardo Marinho, que é diretor do Sindicato dos Bancários do Ceará e funcionário do BB, o banco agiu precipitadamente ao tentar voltar à normalidade dos atendimentos do modo como eram antes da pandemia. “Não entendemos por que a direção do BB decidiu, antes das organizações de Saúde, agir como se a pandemia estivesse superada. Agora estamos registrando aumento exponencial de trabalhadoras e trabalhadores adoecidos. Isso nos leva a perguntar por que o banco não implementa o acordo de Teletrabalho, que está na mesa de negociação desde meados do ano passado”, questiona.

“O movimento sindical está chamando a atenção para os bancos retomarem o trabalho em home office. Essa, aliás, será a cobrança do Comando Nacional em reunião marcada para esta terça (18) com a Fenaban (Federação Nacional dos Bancos)”, destaca João Fukunaga, coordenador da CEBB.

Fonte: Contra-CUT

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

FACEBOOK

SERVIÇOS

CHARGES

VÍDEOS

O BANCÁRIO

TWITTER