Temer quer cortar benefícios por auxílio-doença e aposentadoria por invalidez

O governo interino de Michel Temer segue com seus alvos bem delineados: corte de direitos trabalhistas, sociais e de benefícios. E, desta vez, o corte intervém diretamente na saúde dos brasileiros – Temer pretende cancelar 30% dos auxílios-doença e 5% das aposentadorias por invalidez. As mudanças, que devem ser feitas por medidas provisórias, têm o objetivo de poupar R$ 6,3 bilhões, segundo Marcelo Siqueira, assessor especial da Casa Civil.

Entre as propostas, anunciadas no dia 07/07, estão a realização de revisões periódicas dos benefícios e a suspensão automática do auxílio-doença depois de 120 dias (4 meses), nos casos em que um prazo de duração não tenha sido fixado. Segundo Siqueira, o objetivo da medida é o de cortar gastos com o INSS e ajudar a reduzir o saldo negativo nas contas públicas em 2017.

Auxílio-doença

As medidas ainda implicam a revisão imediata do auxílio-doença de 840 mil pessoas, concedidos há mais de dois anos. A partir de agosto, os beneficiários devem começar a ser chamados para passar por novas perícias e saber se poderão continuar recebendo o benefício. As pessoas serão chamadas para fazer a revisão, por isso, não precisam correr para a agência do INSS e nem telefonar. Quem recebe o benefício há mais tempo deve ser chamado primeiro para a reavaliação médica.

Aposentadorias por invalidez

Ainda segundo o Ministério da Previdência, há 3 milhões de aposentadorias por invalidez que foram concedidas há mais de dois anos e que não foram revisadas. Elas representam R$ 3,6 bilhões ao mês.

Para rever os benefícios, o governo prevê que serão feitas 6.000 perícias a mais por mês. Durante dois anos, os médicos do INSS vão receber um bônus para fazer perícias em pessoas com benefícios há mais de dois anos.

Mais cortes

Como se já não bastasse, o governo também anunciou um decreto que obriga a inscrição no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal das pessoas que recebem Benefício da Prestação Continuada da Lei Orgânica da Assistência Social (BPC-LOAS).

Com o decreto, os dados serão revisados para comprovar que a pessoa cumpre os critérios para receber o benefício. Com esta medida, o governo pretende economizar R$ 800 milhões. Atualmente o benefício, que equivale a um salário mínimo, é destinado a idosos e pessoas com deficiência que comprovem não ter como se manter.

Previdência complementar dos servidores

O governo também propôs que a Fundação de Previdência Complementar do Servidor Público Federal do Poder Executivo (Funpresp) possa administrar planos de previdência complementar de Estados e municípios.

O objetivo seria aumentar a previdência complementar dos servidores públicos e diminuir os custos para governos estaduais e municipais.

 

Fonte: Imprensa SindBancários, com Contraf-CUT e informações de agências

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

FACEBOOK

SERVIÇOS

CHARGES

VÍDEOS

O BANCÁRIO

TWITTER