• Home  /
  • Noticias   / Bancos   /
  • Fechamento de Itaú no Centro de Porto Alegre provoca tumulto e filas quilométricas em agência vizinha

Fechamento de Itaú no Centro de Porto Alegre provoca tumulto e filas quilométricas em agência vizinha

O Itaú fechou a agência da Esquina Democrática em Porto Alegre. No dia 1º de junho, um cartaz afixado no tapume colocado à entrada do banco avisava: “a partir desta data atenderemos em novo endereço”, a unidade da Rua Sete de Sembro, 1.073, também localizada no Centro Histórico de Porto Alegre. Tudo indica que os responsáveis pela medida promoveram a fusão dos funcionários, gerando desconforto e mais pressão sobre o trabalho de cada dia.

Numa rápida passagem por outras agências da região, a diretora Cátia Cilene Nobre Nunes, funcionária do banco, constatou que muitas pessoas aguardavam atendimento “espremidas em corredores” e o “pessoal bancário fazendo o que podiam”. Ela constatou que o número de tarefas, aumento do atendimento ao público e a precariedade para executar os serviços estão deixando os bancários à beira de um ataque de nervos e adoecidos. “Por causa das metas, estão controlando até o tempo para o bancário ir ao banheiro. Enquanto isso, uns poucos gerentes são premiados com viagens internacionais exatamente por conta das metas”, ressalta a indignada diretora.

Cátia deixa claro que não contesta as premiações setoriais, apenas destaca que o quadro mostra injustiças, total falta de sensibilidade e responsabilidade com os trabalhadores, usuários e clientes do banco por parte da direção do Itaú. “Dinheiro não falta”, considerou ao lembrar que, mesmo em um ano de muita dificuldade econômica, o Itaú lucrou quase R$ 25 bilhões em 2017 e já chegou a R$ 6,4 bi no primeiro trimestre deste ano.

No mês de março, o Itaú divulgou sua primeira campanha sobre a seleção brasileira para a Copa do Mundo. O filme reúne trechos de falas de Tite, o treinador da equipe, dando discursos para motivar os brasileiros que perderam a esperança na seleção após a disputa com a Alemanha em 2014.

Neste cenário, Cátia lembrou que os participantes do Encontro Nacional dos Trabalhadores do Itaú, realizado no dia 8 de junho, em São Paulo, ressaltaram que o banco, um dos principais financiadores do golpe contra a democracia no Brasil, se transformou no maior do país, neste período de ataque aos direitos dos trabalhadores.“O Itaú precisa cumprir seu papel social, garantir o emprego, contratar mais bancários, além de garantir boas condições de trabalho para seus funcionários, melhor atendimento à população e respeitar a democracia deste país”, concluiu Cátia Nunes.

Fonte: Imprensa SindBancários (texto Moah Sousa)

Escrito por Clóvis Victoria

Escrever um comentário