• Home  /
  • Noticias   / Bancos   /
  • Dia de Luta contra Reforma da Previdência mobiliza bancários e sindicalistas em Porto Alegre
Dia de Luta contra Reforma da Previdência mobiliza bancários e sindicalistas em Porto Alegre DiadeLuta05122017WEB Full view

Dia de Luta contra Reforma da Previdência mobiliza bancários e sindicalistas em Porto Alegre

Centenas de manifestantes, representando o SindBancários, a Fetrafi-RS, a CUT e demais centrais sindicais do estado, além de sindicatos não filiados e movimentos como a Frente Brasil Popular, Frente Povo sem Medo, Levante da Juventude, MST, MPA, MTST e MNLM protagonizaram o Dia de Lutas em Porto Alegre, na manhã desta terça-feira, 05/12. “A reforma da Previdência não acaba com privilégios – acaba com a aposentadoria da população”, disse o presidente do Sindicato dos Bancários, Everton Gimenis. “O governo Temer recuou da votação da Previdência no dia 6, pois tem medo de não ter os votos suficientes. Mas eles não desistem. E nós temos que continuar mobilizados, em estado de alerta”, concluiu.

Em frente ao INSS

Após a pressão dos sindicalistas, no Aeroporto Salgado Filho, sobre os deputados gaúchos que embarcavam para Brasília, os trabalhadores fizeram manifestação em frente a Estação Rodoviária e vieram em marcha até a Travessa Mario Cinco Paus, em frente ao edifício-sede do INSS no estado, no Centro. “Este ato representa a nossa resistência e um aquecimento de turbinas para a Greve Geral que vamos fazer se a Reforma da Previdência for para votação no Congresso”, afirmou a diretora da Fetrafi-RS, Denise Falkenberg Correa. “Esta reforma que o governo ilegítimo quer fazer penaliza os mais pobres e mais ainda as mulheres, que têm maior dificuldade de conseguir emprego. Em respeito às novas gerações, esta reforma não vai passar!”, disse.

Reforma que deforma

A também bancária e atual titular da Secretaria de Mulheres da CUT-RS, Ísis Marques, entende que a manobra de Michel Temer e seu governo de corruptos “não é reforma – é deforma, uma deformação das relações de trabalho”. “Mulheres e trabalhadores em geral precisam se manter organizados e mobilizados para rebater tudo o que vier deste governo que não nos representa”, encerrou.

Recado musical

Enquanto o ato ia terminando, e alguns manifestantes se dirigiam para o protesto em frente ao Palácio Piratini, um grupo de sindicalistas entoava uma música com um refrão que levou muita gente a cantar juntos, lembrando que não apenas o Brasil está sob um governo anti-povo, mas também o estado e mesmo a Prefeitura de Porto Alegre. O atual ocupante do Palácio Piratini recebeu um recado musicado, num coro dos manifestantes: “A nossa luta/ não acaba aqui/ fora Sartori/ do Piratini”.

Escrito por José Antonio Silva

Escrever um comentário