Dia 12 a Caixa faz 157 anos. Dia de festa, mas também um dia de luta pela preservação do grande banco social do país

Na próxima sexta-feira, 12/01/2018, a Caixa Econômica Federal completa 157 anos de existência. Nossa empresa é de grande importância para a sociedade brasileira, sua função social traz desenvolvimento a todo país.

A Caixa aceita clientes das mais humildes camadas econômicas, garante dignidade e oportunidade para pessoas de várias idades. Com seus programas sociais, como “Minha Casa, Minha Vida”, que realiza o sonho de todo brasileiro de ter sua casa própria, e o “Fies”, que financia estudo e graduação aos jovens, a Caixa beneficia a população de várias formas. Temos orgulho dessa missão da Caixa.

Essa empresa é gigantesca e também é feita de seus empregados, da sua mão de obra, e nesse sentido nem tudo é comemoração. Por causa do governo ilegítimo de Temer, que quer entregá-la a iniciativa privada, estamos sofrendo reestruturação, fechamento de postos de trabalho, por não termos reposição nos planos de aposentaria e principalmente descomissionamentos, que trazem uma atmosfera de incertezas.

Os trabalhadores em geral estão sofrendo perdas de direitos, assim como os empregados da Caixa, com a Reforma Trabalhista. Mas com muita luta conseguimos nos manter de pé e continuamos uma empresa 100% pública.

Temos o que comemorar sim, pois a Caixa é uma empresa forte, com papel social bem definido e temos que valorizá-la, mas não podemos tirar os olhos da luta, do que nos é de direito, portanto dia 12 tenha orgulho de trabalhar na Caixa. (Na foto acima, reprodução da capa do livro que relata a trajetória do banco, fundado em 1861, ainda durante o período imperial de D. Pedro II).

Esteja na Praça da Alfândega, junto ao Edifício Querência, a partir do meio-dia desta sexta-feira.

Pois Dia 12 é dia de festa, sim. Mas também é dia de luta, pela preservação da nossa empresa e contra a privatização e a política de desmonte da Caixa.

Texto de Virgínia Faria – empregada da Caixa e diretora de Formação do SindBancários

 

Escrito por José Antonio Silva

Escrever um comentário