• Home  /
  • Noticias   / Bancos   /
  • Banrisul adota conduta antissindical ao enviar correspondência constrangedora aos sindicalizados

Banrisul adota conduta antissindical ao enviar correspondência constrangedora aos sindicalizados

Os associados do SindBancários, empregados do Banrisul, foram surpreendidos pelo recebimento de uma inusitada correspondência. Nesse email, o Banco solicita que o empregado confirme a sua condição de associado do Sindicato.

O SindBancários esclarece que essa correspondência nada tem a a ver com a extinta contribuição sindical, conhecida como imposto sindical ou quaisquer contribuições extraordinárias. Tem a ver com a mensalidade sindical, que é a taxa que cada associado paga espontaneamente e que garante a condição de sócio da entidade.

O Banco recebe as autorizações assinadas pelos bancários no momento da filiação sindical. Portanto, o Banco tem pleno conhecimento da condição de associado do bancário, que é confirmada pelo envio de listagem atualizada mensalmente pela entidade sindical.

Qual a razão, então, do envio da correspondência para os filiados do Sindicato? Por que criar constrangimento ao Banrisulense? Para que fazer com que este trabalhador reconfirme sua condição de associado que já está documentada pelo banco?

Parece que a atual diretoria do Banrisul não está gostando da atuação sindical que denunciou as condutas prejudiciais ao banco e que estão sendo tomadas pelo governo Sartori.

O envio de uma correspondência para os bancários para que eles confirmem a sua condição de associado ao Sindicato é um ato de constrangimento ao trabalhador e caracteriza uma clara conduta antissindical.

O Sindicato já enviou correspondência para o Banco solicitando que o formulário remetido pela diretoria seja imediatamente tornado sem efeito por desnecessário. Se o Banco permanecer com este procedimento, o SindBancários fará denúncia junto à Procuradoria Regional do Trabalho e tomará, como sempre faz, as medidas cabíveis no sentido de proteger o direito dos bancários e de sua entidade.

Escrito por Clóvis Victoria

Escrever um comentário