• Home  /
  • Noticias   / Bancos   / Badesul   /
  • Agências bancárias ficam fechadas até o meio-dia em Porto Alegre em protesto contra as Reformas Trabalhista e da Previdência e em defesa dos bancos públicos

Agências bancárias ficam fechadas até o meio-dia em Porto Alegre em protesto contra as Reformas Trabalhista e da Previdência e em defesa dos bancos públicos

Os bancários gaúchos deram uma boa mostra de que estão dispostos a lutar por manter seus direitos e conquistas com muita luta na sexta-feira, 10/11, em Porto Alegre e de resistir aos retrocessos da Reforma Trabalhista e da Reforma da Previdência. No Dia Nacional de Mobilização contra a Reforma Trabalhista, a Reforma da Previdência e em Defesa dos Bancos Públicos, agências bancárias da área de abrangência do SindBancários permaneceram fechadas até o meio-dia. Foi um recado dos bancários gaúchos aos banqueiros de que haverá luta e resistência para restaurar os direitos que a Lei 13.467, a da Reforma da Previdência, que entra em vigor neste sábado, 11/11, retira de todos os trabalhadores. Mesmo sob forte chuva, às 11h, os bancários realizaram um ato em defesa do Banrsiul público e contra a venda de ações em frente a Diretoria Geral (DG) no Centro de Porto Alegre.

Logo cedo, os bancários da área do Centro de Porto Alegre, e os clientes começaram a compreender que, mesmo sob chuva, haveria mobilização. Clientes que buscavam informações sobre os motivos de as agências terem sido fechadas, recebiam uma carta aberta que explicava o motivo. Trata-se do Dia Nacional de Mobilização chamado pelas centrais sindicais. Com as agências fechadas, muitos usuários de banco foram informados pelos manifestantes de que a Reforma da Previdência passaria a valer no dia seguinte.

As agências do centro de Porto Alegre amanheceram com cartazes e faixas que avisavam que os “bancários estão em luta”. Muitos clientes não sabiam que um dos maiores retrocessos na vida dos trabalhadores passa a valer a partir dessa reforma no dia seguinte à mobilização. O trabalho intermitente, a redução do horário de almoço, o enfraquecimento dos sindicatos, o negociado com o patrão que vale mais do que a lei estão entre as “notícias” que os bancários levaram aos clientes. Em relação aos bancários, os dirigentes sindicais trabalharam no sentido de realizar reuniões de esclarecimentos, organizar a resistência e colocar o Sindicato à disposição.

Ligue para o Sindicato (51) 3433-1200

Mande e-mail: [email protected]

O presidente do SindBancários, Everton Gimenis, avaliou como positiva a mobilização dos bancários e fez um alerta sobre a necessidade de todos estarem atentos ao chamado do Sindicato para as mobilizações. Ele organizou uma reunião numa das maiores agência do centro de Porto Alegre, o Bradescão, do Centro de Porto Alegre. “Foi um dia de mobilizações chamado pelas centrais muito produtivo para a nossa categoria. Aproveitamos as duas horas de fechamento das agências para distribuir panfletos à população gaúcha, clientes de bancos e para conversar especificamente sobre o que vamos enfrentar a partir de agora. Há um ataque estrutural do governo federal. Quer dizer, a reforma trabalhista ataca desde a jornada de trabalho até o direito de os trabalhadores buscarem a Justiça do Trabalho e serem representados pelos seus sindicatos”, explicou Gimenis.

Esperança, resistência e luta

O SindBancários tem alertado os trabalhadores para os ataques aos direitos dos trabalhadores liderados pelos banqueiros em conluio com o governo golpista de Michel Temer. O caso da Reforma da Previdência foi alvo de muitas campanhas e reuniões com os bancários. Ela foi aprovada em 12 de julho passado. Mesmo que a entrada em vigor da Reforma Trabalhista ameaça muitas das nossas conquistas, reiteramos o papel do SindBancários nesta luta. Haverá resistência. Os bancários devem ficar atentos aos efeitos da nova lei e denunciar ao Sindicato qualquer tipo de pressão que sofrerem. Autoridades jurídicas, entre elas juristas e juízes do trabalho, têm se manifestado e avisado que há muitas inconstitucionalidades na Lei 13.467.

Assine o PLIP contra a Reforma Trabalhista

A CUT iniciou nacionalmente em 7 de setembro, em todo o país, durante o Grito dos Excluídos, a coleta de assinaturas em apoio a um projeto de lei de iniciativa popular para revogar a nova legislação trabalhista que entra em vigor neste sábado, 11/11. O objetivo é colher 1,3 milhão de assinaturas para depois entregar o documento à Câmara dos Deputados. O passo seguinte será pressionar os parlamentares a votarem o texto que revoga a proposta do governo Temer que elimina diversos direitos trabalhistas.

Nós, bancários, temos muito a ajudar nesta campanha. Afinal, também seremos prejudicados pela Reforma Trabalhista e pela nova Lei das terceirizações, ambas já aprovadas no Congresso Nacional. Por isso o SindBancários disponibilizou uma tenda para facilitar a participação dos trabalhadores e trabalhadoras do ramo financeiro.

É fácil participar. Basta anotar ou levar o título de eleitor, preencher a ficha com seu nome completo, cidade onde vota e assinar. A tenda itinerante fica nos locais de maior concentração de agências bancárias, o Centro de Porto Alegre. O objetivo do projeto de lei é fazer com que as alterações na legislação trabalhista se somem a outras 11 leis revogadas por meio desse instrumento.

Crédito Fotos: Anselmo Cunha

Fonte: Imprensa SindBancários

Escrito por Clóvis Victoria

Escrever um comentário